Energia EDP Brasil interessada em comprar participações da Eletrobras em duas barragens

EDP Brasil interessada em comprar participações da Eletrobras em duas barragens

A EDP e a eléctrica estatal brasileira são parceiras nas centrais hidroelétricas de Peixe Angical e de São Manoel.
EDP Brasil interessada em comprar participações da Eletrobras em duas barragens
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 28 de julho de 2017 às 09:15
A EDP Brasil está interessada em investir em duas centrais hidroeléctricas da Eletrobras. A companhia já manifestou inclusivamente o seu interesse à eléctrica estatal brasileira em comprar as participações minoritárias da Eletrobras nas duas centrais hidroeléctricas onde as duas empresas são parceiras, caso estes activos sejam colocados à venda.

"Se a Electrobras estiver vendedora gostaríamos de comprar essas participações. Já fizemos chegar essa mensagem à administração da Electrobras", disse o presidente da EDP Brasil, Miguel Setas.

As declarações do gestor tiveram lugar na quinta-feira, 27 de Julho, citado pela Reuters, durante a apresentação de resultados trimestrais da EDP Brasil, detida a 51% pelo grupo EDP.

A EDP é parceira da Furnas Centrais Eléctricas, uma subsidiária da Eletrobras, nas centrais hidroeléctricas de Peixe Angical (499 megawatts), no estado de Tocantins, e de São Manoel (700 megawatts em construção), nos estados do Mato Grosso e do Pará.

Além da produção de electricidade, a EDP Brasil também está a avaliar novos investimentos no sector de transporte de electricidade. No entanto, Miguel Setas sublinhou que ainda não estudou uma possível aquisição dos activos das espanholas Abengoa e Isolux que procuram vender os seus negócios no Brasil.

A companhia foi também sondada pela empresa estatal mineira Cemig para vender a Light, empresa que detém activos de produção de electricidade, e é responsável por distribuir electricidade na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Miguel Setas adiantou que a empresa vai agora avaliar a compra da Light, sublinhando, contudo, que existem mais oportunidades no segmento de distribuição.

Sobre um eventual interesse da EDP Brasil no leilão de privatização da estatal paulista Cesp ou na licitação pelo Governo brasileiro da concessão de centrais hidroeléctricas da Cemig, Miguel Setas adiantou que estes activos não são os mais atractivos para a empresa do grupo EDP.

O objectivo da EDP Brasil passa por um maior foco na procura de oportunidades de novas centrais hidroeléctricas, construindo-as de raiz, rejeitando activos que já estejam em operação.

A EDP Brasil registou lucros de 142 milhões de reais (38,5 milhões de euros) no segundo trimestre, mais 45,1% face ao mesmo trimestre de 2016. Já o EBITDA atingiu os 533,55 milhões de reais (144,5 milhões de euros), mais 13,7% face a 2016.

Analisando este negócio, o banco Haitong considera que o mesmo tem um impacto "neutro" para o grupo EDP, pelo menos neste momento. "Acreditamos que o mercado verá estes investimentos como naturais, com a questão a ser qual o preço que vão pagar (acreditamos que a EDP teria tido uma melhor posição negocial para comprar estes activos a níveis mais baratos há um ano".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub