Energia EDP limpou sinais do início do incêndio em Pedrógão Grande

EDP limpou sinais do início do incêndio em Pedrógão Grande

Os especialistas responsáveis pelo relatório do fogo de Pedrógão Grande pediu ao Ministério Público, como habitual, para que não fossem feitas limpezas nas zonas onde terá começado o incêndio. A EDP já se tinha adiantado.
EDP limpou sinais do início do incêndio em Pedrógão Grande
Reuters
Negócios 15 de dezembro de 2017 às 10:34

A EDP procedeu à limpeza dos locais onde terá começado o incêndio de Junho em Pedrógão Grande. Fê-lo depois de conhecido o relatório técnico independente que atribuía às linhas da eléctrica o início do fogo pelo contacto com a vegetação.

O cenário é traçado pelo coordenador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, Xavier Viegas, à TSF esta sexta-feira, 15 de Dezembro. O responsável diz ter pedido ao Ministério Público para travar qualquer acção de limpeza das florestas nas referidas áreas, debaixo das linhas eléctricas onde suspeita que tenha começado o fogo.


Contudo, a acção não veio a tempo: quando o aviso do Ministério Público chegou à EDP, já a eléctrica tinha ido ao local fazer uma limpeza das árvores, escreve a TSF.


Xavier Viegas lembra que existem fotografias do antes e do depois, embora fosse mais "importante preservar a zona" caso fosse necessário prosseguir investigações e encontrar sinais das descargas eléctricas na vegetação.


À TSF, a EDP Comercial não confirma nem desmente o aviso do Ministério Público ocorrido já depois da limpeza. A empresa diz que as suas acções tiveram como objectivo "repor as condições de segurança das redes e assegurar o abastecimento eléctrico às populações".


"As intervenções foram de carácter pontual e delas foi dado conhecimento a todas as autoridades competentes", afirmou fonte oficial.


A TSF ouviu ainda a Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande. A sua presidente, Nádia Piazza, não descarta a ideia de que se terá tentado esconder provas e refere que existiram "duas situações de cosmética de cenários onde aconteceram mortes", referindo-se à limpeza da EDP e à Ascendi, gestora da Estrada Nacional 236, agora conhecida como "estrada da morte".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

A EDP é uma desilusão, mas claros quem permitiu foram as autoridades judicias e politicas. É que o arguido MEXIA ainda tem poder. VEJAM O QUE ESTÁ A FAZER COM AS GRANDE ALBUFEIRAS NO RIO CÁVADO, LIMA.A DESMANTELAR VIGILÂNCIA HUMANA.À REVELIA DA LEI. O PRESIDENTE AFETOS CALA-SE! NÃO É IMPORTANTE!!!

A EDP? Há 4 dias

Tem arguidos e no passa nada

Camponio da beira Há 4 dias

Sabe mais a Edp a dormir que 90% da justiça acordada. E depois há as seitas secretas potencialmente criminosas, onde, com aventais, se tratam das coisas importantes.

Anónimo Há 4 dias

Mais um comuna. Então não fui um raio a causa do incêndio? Foi assim que se ilibaram Costas e as suas meninas, os pândegos da protecção civil e outros tantos? Bem, à boa maneira comuna, agora tentam culpar empresas para arranjem dinheiro para comprar votos, não para ajudar Pedrogão e outros lesados

ver mais comentários
pub