Energia "EDP nega existência de negociações com Gas Natural com vista a fusão"

"EDP nega existência de negociações com Gas Natural com vista a fusão"

A eléctrica emitiu um comunicado para a CMVM onde nega a existência de negociações com a Gas Natural para uma eventual fusão.
"EDP nega existência de negociações com Gas Natural com vista a fusão"
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 04 de julho de 2017 às 10:41
"No seguimento da notícia difundida ontem, dia 3 de Julho, pela agência Reuters com o título 'Gas Natural aproxima-se da EDP com vista a fusão', a EDP vem por este meio negar a existência de negociações entre as duas entidades sobre este tema", revela a eléctrica liderada por António Mexia em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Reuters noticiou esta segunda-feira, 3 de Julho, que tinha havido contactos da Gas Natural Fenosa com a EDP para uma eventual fusão no sector ibérico. A operação avaliada em 35 mil milhões de euros, daria origem à quarta maior companhia de gás e electricidade na Europa.

A Gas Natural desmentiu prontamente a informação. A EDP só tomou uma posição esta terça-feira, mais de duas horas depois do início da negociação bolsista. 

As acções da eléctrica nacional reagiram em forte alta às notícias, tendo chegado a apreciar mais de 3,5%.

Esta operação de fusão entre as duas empresas já pensada no passado. No próximo dia 2 de Outubro fará 11 anos que correu a notícia de que a EDP estava a abordar, através do seu accionista Estado, a espanhola Gas Natural no sentido de avançarem para uma fusão amigável e criarem uma grande empresa ibérica no valor de 30 mil milhões de dólares.

Os analistas consideram que a potencial fusão entre a EDP e a Gas Natural seria benéfico para os accionistas das duas empresas, mas a probabilidade de este negócio acontecer agora é limitado.



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.07.2017

Vão aprender a gerir empresas de electricidade com os melhores. Os portugueses agradecem. O excedentarismo acarreta custos enormes para a economia, os consumidores, os inovadores, os contribuintes, os accionistas, os investidores... Em jurisdições e culturas de gestão onde o despedimento de excedentários é tema tabu, a dependência, o atraso, a injustiça e o empobrecimento proliferam. Assim foi, e ainda é maioritariamente, Portugal. "...the decision is in Duke Energy's effort to stay lean and efficient for its customers." www.wfmynews2.com/news/duke-energy-to-cut-900-jobs-to-lower-costs-for-customers/69744244

comentários mais recentes
Anónimo 04.07.2017

Filipe recomendo-te um especialista para tratar do teu caso mas tem que ser um bom , senao nao te safas . nem tu sabes o que é que queres dizer hi hi hi. bronco.

NirSup 04.07.2017

"A Reuters noticiou esta segunda-feira, 3 de Julho, que tinha havido CONTACTOS da Gas Natural Fenosa com a EDP para uma eventual fusão no sector ibérico".

"No seguimento da notícia difundida ontem, dia 3 de Julho, pela agência Reuters com o título 'Gas Natural aproxima-se da EDP com vista a fusão', a EDP vem por este meio negar a existência de NEGOCIAÇÕES entre as duas entidades sobre este tema."

Duas notícias aparentemente contraditórias mas que afinal até são coincidentes. Mais um exemplo do charme discreto dos "jornaleiros" que tratam os seus leitores como mentecaptos.

Anónimo 04.07.2017

Empresas que fazem tudo para destruir o mercado do sector de actividade onde se inserem, nem deviam ter critérios para dispersar o seu capital num mercado de acções supervisionado e regulamentado.

Anónimo 04.07.2017

Empresas como a EDP são empresas anti-mercado que têm sido levadas ao colo pelo Estado desde que foram fundadas. Estão repletas de ineficiências, excedentarismo e falta de transparência institucional. A gestão é medíocre ou apática naquilo que deveria ser a sua missão, visão e legítimo propósito perante clientes e accionistas, e os colaboradores capturaram a organização. Podiam dar 2 vezes mais lucro e oferecer um produto muito mais barato com metade dos colaboradores actuais. Fazem lembrar o monstro de corrupção, obscuridade, promiscuidade estatal e desperdício em que se tornaram algumas das maiores empresas brasileiras. E todos sabem em que é que isso deu no Brasil...

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub