Energia EDP Renováveis encaixa 23,7 milhões em central eólica marítima na Escócia

EDP Renováveis encaixa 23,7 milhões em central eólica marítima na Escócia

A companhia encaixou 23,7 milhões de euros com a venda desta participação à francesa Engie. As duas empresas são parceiras em projectos eólicos offshore em Portugal e França.
EDP Renováveis encaixa 23,7 milhões em central eólica marítima na Escócia
André Cabrita-Mendes 07 de julho de 2017 às 17:31
A EDP Renováveis concluiu a venda à francesa Engie de 23% do capital social de um projecto eólico marítimo ao largo da Escócia.

O negócio relativo ao projecto Moray Offshore Windfarm (East) atingiu um valor global de 21 milhões de libras ( 23,7 milhões de euros).

A transacção foi anunciada esta sexta-feira, 7 de Julho, pela EDP Renováveis em comunicado enviado à CMVM.

A Engie é parceira da EDP Renováveis nos projectos eólicos marítimos em França e nos projectos flutuantes tanto em Portugal e em França.

Desta forma, a Engie vai "participar no investimento, desenvolvimento e operação do projecto eólico offshore Moray, localizado no Mar do Norte ao largo da costa da Escócia".

O Governo britânico concedeu em Janeiro de 2010 o direito da EDP Renováveis de produzir electricidade a partir da central eólica marítima na Escócia. Mais tarde, em Março de 2014, o Governo escocês autorizou o desenvolvimento de até 1.116 MW de energia eólica offshore.

A EDP Renováveis passa assim a deter 77%% do capital da Moray Offshore Renewable, de projecto eólico com capacidade para dar energia a 700 mil lares.

 

Em Fevereiro de 2016, a EDP Renováveis anunciou a aquisição da participação de 30% que a Repsol detinha no projecto da Escócia, ficando detentora de 100% do projecto eólico, incluído no pacote de parcerias internacionais com o accionista China Three Gorges.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ftop Há 2 semanas

Isso não é nada, é um saláriozeco do Mexia

pub