Bolsa EDP Renováveis negoceia 11 cêntimos acima da OPA

EDP Renováveis negoceia 11 cêntimos acima da OPA

É o segundo dia de quedas para a cotada presidida por Manso Neto, mas nem por isso o preço ajusta ao valor da OPA. Entre os minoritários há cepticismo de que a oferta tenha êxito.
EDP Renováveis negoceia 11 cêntimos acima da OPA
Miguel Baltazar/Negócios

Apesar do segundo dia de decurso da oferta lançada pela EDP ser também a segunda sessão de perdas em bolsa, o valor por acção da EDP Renováveis continua acima do que é oferecido na OPA da empresa liderada por António Mexia.


A cotar nos 6,864 euros esta sexta-feira, 7 de Julho, com uma desvalorização de 0,42%, a Renováveis está ainda assim 11 cêntimos acima dos 6,75 oferecidos pela EDP (um valor que exclui os cinco cêntimos de dividendo já distribuídos aos accionistas em Maio).


Um preço que sinaliza que os investidores estarão à espera de uma revisão em alta da oferta por parte da EDP, algo que o banco de investimento Haitong considerou ontem ser pouco provável.


O Negócios noticia hoje que os accionistas minoritários duvidam do êxito da oferta que pretende adquirir os 22,5% do capital que a EDP ainda não controla para o que, cumulativamente, terá de alcançar 90% dos direitos de voto e 90% do capital sob oferta.


"Atingir os 90% de direitos de voto objecto da oferta é muito difícil. A probabilidade de isso acontecer é diminuta. Sabemos onde está o capital que não vai aceitar a oferta e há ainda aqueles investidores que não vão aceitar por inércia ou por desconhecimento", explica Octávio Viana, o presidente da Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais (ATM), ao Negócios.


O responsável considera que o valor proposto pela EDP não parece "ajustado" e que, uma vez que a eléctrica mantém uma ordem irrevogável de compra nos seis meses seguintes ao desfecho, caso consigo superar os 90% dos direitos de voto, "os investidores não têm necessidade de vender na primeira oferta." Outros representantes de minoritários, como a MSF Investments e Ecofin, manifestaram igualmente dúvidas sobre o preço. Se a EDP não atingir os 90% dos direitos de voto da Renováveis, já não poderá lançar uma ordem irrevogável.

Do lado da EDP, o valor proposto é "uma proposta atractiva" para os minoritários, disse ao Negócios fonte da empresa. A energética fez publicar esta sexta-feira na imprensa nacional os detalhes da oferta que decorre até às 15:00 de 3 de Agosto, reafirmando que admite pedir a saída da cotada da bolsa caso alcance mais de 90% dos direitos de voto quando apurado o resultado da oferta.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.07.2017

Grande lata!
tenham dignidade e ofereçam, no mínimo, os 8 euros que cobraram no inicio.
Com financiamento assim, também eu!
Ao menos o Montepio teve a dignidade de oferecer 1 euro por unidade. Devia oferecer algo mais, já que desde 2013, acabou por se financiar a custo zero.

Mexia ganha 3 milhões/ano de euros imerecidos! 07.07.2017

Ora, temos o Mexia a mostrar as suas entranhas de vigarista! Só pode!

O roubo da EDP-R 07.07.2017

Venderam EDP-R em 2008 a 8 euros, passaram 9 anos oferecem 6,75 euros!! ÓH Mexia, óh Pintelhos vão os dois para o caaaaralho já! Pulhas, salafrários!

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub