Energia EDP Renováveis pagou mais de três milhões aos seus administradores em 2016

EDP Renováveis pagou mais de três milhões aos seus administradores em 2016

A energética pagou mais 150 mil euros aos seus 17 administradores executivos e não executivos em 2016 face ao pago em 2015, quando a companhia tinha 21 administradores.
EDP Renováveis pagou mais de três milhões aos seus administradores em 2016
Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes 10 de março de 2017 às 14:27
A remuneração dos administradores da EDP Renováveis superou os três milhões de euros em 2016. Os 17 administradores executivos da energética levaram para casa um total de 3,15 milhões de euros no ano passado. Em 2015, a companhia pagou três milhões de euros aos seus então 21 administradores.

João Manso Neto, CEO e administrador executivo, em conjunto com António Mexia e Nuno Alves, administradores não executivos, não receberam nenhuma remuneração da EDP Renováveis em 2016. Mas a empresa paga 1,332 milhões de euros à EDP pelos "serviços prestados" por estes três gestores, que integram também a administração do grupo EDP, conforme se pode ler no relatório de governo corporativo de 2016 da EDP Renováveis.

Os outros três administradores executivos receberam um total de 1,219 milhões de euros. Mas este valor inclui também as suas remunerações na qualidade de administrador financeiro (Miguel Amaro), administrador da operação na Europa (João Paulo Costeira) e administrador da operação nos Estados Unidos (Gabriel Alonso).

No total, a EDP Renováveis pagou 2,305 milhões de euros aos seus administradores executivos em 2016, incluindo os serviços de gestão pagos à EDP. Este valor é inferior aos 2,376 milhões pagos pela EDP Renováveis aos seus administradores executivos em 2015. 

Os administradores não executivos, por seu turno, receberam um total de 599 mil euros em 2016, superando os 565 mil euros recebidos em 2015. Os valores variam entre os 80 mil euros e os 39 mil euros anuais.

No topo das remunerações dos não executivos surge Jorge Henrique dos Santos (80 mil euros). Seguem-se João Lopes Raimundo, João Manuel de Mello Franco e José A. Ferreira Machado (60 mil euros). A receberem 55 mil euros por ano surgem Acácio Jaime Liberado Mota Piloto, António Nogueira Leite, Francisca Guedes de Oliveira.

A seguir na lista, com 45 mil euros por ano, estão Allan Katz, embaixador norte-americano em Portugal entre 2010 e 2013, Gilles August e Manuel Menéndez Menéndez. No fim do ranking das remunerações, está o embaixador jubilado Francisco Seixas da Costa (39,2 mil euros).



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 17.03.2017

Só MILHOES!
MILHOES para ti, MILHOES para mim! MILHOES para ele,...

nem parece que estamos em TuGLÂndia POBRETANAS E FALIDA e sem empresas de dimensão e num mercado pequenininho e mediocre ...

Pensoes de 300 eur e SMN 500 eur...

Anónimo 11.03.2017

Desta forma não haverá dúvidas de que o fim também está próximo.

serico115 10.03.2017

Ora aí está porque os preços precisam de ir aumentando. Precisamos tratar bem estes administradores pois sem eles a EDP nem funcionaria, aliás eles pertencerão a uma casta especial que é preciso proteger para se não extinguirem...

Camponio da beira 10.03.2017

A necessidade de tantos administradores, significa que valem pouco enquanto tal. E portanto os vencimentos estão na ordem inversa da competencia.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub