Energia EDP vai recorrer da multa de 900 mil euros em Espanha

EDP vai recorrer da multa de 900 mil euros em Espanha

A eléctrica diz que a multa é "completamente desproporcional" e que o contrato do cliente empresarial não permitia a rescisão antecipada.
EDP vai recorrer da multa de 900 mil euros em Espanha
André Cabrita-Mendes 07 de fevereiro de 2017 às 09:57

A EDP vai contestar a multa aplicada pela Comissão Nacional dos Mercados e da Concorrência (CNMC) em Espanha. A eléctrica defende que a decisão é "completamente desproporcional" e vai recorrer da decisão.

A companhia liderada por António Mexia começa por explicar que o "cliente em causa era um cliente empresarial em Espanha que conhecia os termos do contrato. O contrato referia expressamente não ser permitido a rescisão antecipada".

"Por essa razão entendemos que a decisão é completamente desproporcional e vamos contestar e recorrer judicialmente da multa da CNMC", disse fonte oficial da EDP ao Negócios.

A companhia sublinha as diferenças existentes entre os clientes empresariais e domésticos em caso de rescisão. "No caso de clientes domésticos, a EDP não aplica cláusulas de rescisão antecipada e, portanto, um cliente doméstico é livre de sair da EDP a qualquer momento e sem nenhuma penalização", destaca.

A concorrência espanhola aplicou uma coima de 900 mil euros
à EDP por cometer uma "infracção grave" pelo "incumprimento de medidas de protecção ao consumidor".


A decisão foi anunciada na segunda-feira, 6 de Fevereiro, pela CNMC. A história começa em Setembro de 2014 quando uma empresa contou à CNMC que tinha sido penalizada em 2.400 euros após ter mudado da EDP para outra empresa comercializadora.

No entanto, o cliente cumpriu com o pré-aviso de 15 dias conforme estabelecido, diz a organismo. Após averiguar, a CNMC concluiu que a EDP prevê tipo de penalizações para os contratos de baixa tensão para os clientes não domésticos.

Além da coima, a CNMC impôs a EDP a obrigação de mudar duas cláusulas dos contratos em baixa tensão que prevê precisamente a rescisão do contrato por parte do cliente.

A EDP tem agora dois meses para recorrer desta decisão junto do tribunal Audiência Nacional.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MA 07.02.2017

Está habituado ao regabofe em portugal onde há rendas garantidas e contratos com clausulas de rescisão absurdas. Pois bem.. onde há concorrência a serio é assim.

Anónimo 07.02.2017

o Mexia pensa que controla e faz em Espanha o mesmo que faz em Portugal

Anónimo 07.02.2017

António Mexia pensa que faz em Espanha o que faz em Portugal,mas ali não manda nem exerce pressão sobre o governo como aqui.

pub