Energia Eduardo Catroga: "Estamos a assistir a uma diarreia legislativa que tem que parar”

Eduardo Catroga: "Estamos a assistir a uma diarreia legislativa que tem que parar”

O economista Eduardo Catroga criticou hoje o que apelidou de "uma diarreia legislativa que tem que parar" e que afecta sobretudo o sector financeiro, referindo que "mais tarde ou mais cedo alguém tem que parar os reguladores".
Eduardo Catroga: "Estamos a assistir a uma diarreia legislativa que tem que parar”
Pedro Elias/Jornal de Negócios
Lusa 24 de janeiro de 2018 às 17:35

Na intervenção na conferência sobre remuneração de executivos e 'corporate governance', organizada pela Mercer, em conjunto com a Sérvulo & Associados, em Lisboa, o antigo ministro das Finanças considerou que "no sector financeiro, sobretudo, os reguladores passaram do oito para o 80", o que faz com que "as empresas vão andar preocupadas em concentrar energia na gestão burocrática dos reguladores".

O actual presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, em representação do maior accionista da eléctrica, a China Three Gorges, criticou ainda a forma como algumas directivas europeias são transpostas para a lei portuguesa: "Aparecem umas directivas europeias e somos mais papistas do que o papa".

"Os reguladores nem sempre têm sentido de proporcionalidade", lançou, dando como exemplo a "excessiva e desproporcionada interferência" na transposição em Portugal de uma directiva que obrigada a que o presidente do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da EDP seja independente, o que lhe vetou a possibilidade de um novo mandato na liderança deste órgão.

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Luís Amado é o nome proposto pelos accionistas China Three Gorges (CTG), BCP, Sonatrach, Oppidum e Senfora - que representam mais de 40% do capital - para presidente do CGS da EDP para o próximo triénio, como independente, tal como obriga o Regime Jurídico da Supervisão de Auditoria.

Em declarações aos jornalistas, o economista explicou que, "ao contrário do que acontece no modelo dualista alemão, na lei portuguesa, para a mesma directiva comunitária, [...] os portugueses interpretaram que o CGS tem que ser constituído por maioria de independentes, o que já era, incluindo o presidente e, a partir desse momento, nem a CTG, nem a Capital Group, nem a Oppidum podem desempenhar a função de 'chairman'".

"Mais tarde ou mais cedo alguém tem que parar os reguladores", declarou o economista.

Instado a comentar os salários praticados na eléctrica liderada por António Mexia, Eduardo Catroga disse que "toda a gente conhece as críticas às remunerações dos gestores a, b e c", mas que os salários são comparados com os praticados com outras empresas do sector e "ganham um terço da congénere aqui ao lado". 




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Desanimado Há 4 semanas

Ò catroguinha esqueceste-te foi de dizer que a disparidade salarial em Espanha não tem nada a ver com a Portuguesa.

Olha o Pentelhos a falar de boca cheia. Há 4 semanas

Estes Labregos que so vêm as suas Barrigonas estao preocupado com quê.Esta com medo que a teta da EDP seque? Sao estes os demokratas deste pais por isso somos LIXO e nunca passaremos dele. Vai morrer longe defundo.Cambada de imcopetentes pensam-se os sumos da economia.O que fez como governante?

Desanimado Há 4 semanas

Os salários desta cambada devia estar indexado ao salário médio da empresa!!!

Desanimado Há 4 semanas

Esta cambada não tem mesmo vergonha. Portugal em termos de disparidades salarial da EU é o QUARTO país. Apenas a Polônia a Romênia e o Chipre têm uma disparidade maior:

https://www.dn.pt/dinheiro/interior/gestores-ganham-ate-cem-vezes-mais-que-trabalhadores-6259131.html

Esta cambada não tem mesmo vergonha na cara!!!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub