Tecnologias Eike Batista: de bilionário a “youtuber”

Eike Batista: de bilionário a “youtuber”

Eike Batista esteve no “ranking” dos 10 homens mais ricos do mundo. Foi detido no âmbito da Operação Lava Jato. Agora lançou um canal no Youtube onde promete falar sobre “surpresas” de investimentos no Brasil, bem como sobre projectos seus.
Eike Batista: de bilionário a “youtuber”
Negócios 05 de fevereiro de 2018 às 19:18

"Estou de volta!" Foi assim que Eike Batista "recuperou" a sua conta de Twitter no dia 26 de Janeiro, depois de mais de um ano de silêncio absoluto.

 

Nesta primeira publicação anunciava o lançamento do seu canal no Youtube e no Instagram, revelando que usaria estes veículos para contar a sua história.

 

Já no dia 2 de Fevereiro publicou o primeiro vídeo no Youtube, onde diz que vai partilhar a sua "visão do que vai acontecer no Brasil como um todo", e em particular no Rio de Janeiro.

 

Neste primeiro vídeo, Eike Batista salienta "o grande motor de desenvolvimento do Brasil" nos próximos tempos: o pré-sal.

 

"Eu vou aproveitar este canal para, todas as semanas, falar de uma surpresa, essa é uma delas. Tem várias no Brasil. E também vou explicar todos os meus projectos que ficaram em pé, que são legados. O quanto vão promover de riqueza para este nosso querido Brasil", conclui.

 


Este é o primeiro vídeo, mas neste canal Eike Batista promete comentários semanais sobre negócios, a economia brasileira a sua trajectória, salienta o jornal brasileiro Valor Econômico.

 

Eike Batista foi detido no início do ano passado, no âmbito da Operação Eficiência, extraída da Operação Lava Jato. Foi-lhe concedido o direito a prisão domiciliária em Abril, mantendo-se agora com algumas medidas, tendo recolhimento domiciliário nocturno, não podendo sair de casa durante os feriados e fins-de-semana.

 

O empresário chegou a ter a sétima maior fortuna do mundo, segundo a revista Forbes, distribuída por negócios na indústria mineira, logística, energia e exploração de gás e petróleo. Este último correu mal e, em pouco mais de um ano, Eike perdeu quase perdeu 35 mil milhões de dólares e foi obrigado a pedir insolvência da sua empresa, a OGX. 



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Ciifrão 06.02.2018

Fim de carreira.

pertinaz 06.02.2018

PELA PERUCA