Comércio El Corte Inglés bate recorde de vendas e investe 20 milhões em Portugal

El Corte Inglés bate recorde de vendas e investe 20 milhões em Portugal

As vendas da empresa cresceram 5,4% em 2016 para 452 milhões de euros, o valor mais alto desde a entrada do El Corte Inglés em Portugal. O grupo vai investir mais de 20 milhões de euros no mercado nacional.
El Corte Inglés bate recorde de vendas e investe 20 milhões em Portugal
Correio da Manhã
Sara Ribeiro 27 de agosto de 2017 às 12:40

O El Corte Inglés teve lucro de 18 milhões de euros em Portugal durante o último exercício anual terminado a 28 de Fevereiro. O resultado traduz a uma descida de 6,2%, face ao ano anterior, explicada pela empresa com "a menor rentabilidade dos produtos financeiros e ao aumento das amortizações", segundo um comunicado emitido pelo grupo.

No que toca às vendas, superaram os 452,6 milhões, um valor que representa um aumento de 5,4% e "o maior volume de negócios" desde que a empresa abriu portas em Portugal, há 15 anos.

Esta performance levou a direcção do grupo espanhol "a reafirmar a confiança na empresa e a decidir investimentos superiores a 20 milhões euros", sublinha a empresa em comunicado.

Este montante será direccionado para a modernização dos serviços e das infra-estruturas nos grandes armazéns de Lisboa e de Gaia, Porto, bem como em "outras remodelações nas lojas de menor formato", detalha a empresa.

O resultado bruto de exploração, EBITDA, situou-se em 41,8 milhões de euros, mais 2,9% face ao mesmo período do ano anterior.

Já as despesas atingiram os 411 milhões de euros, um crescimento de 4,9% que reflecte "o esforço financeiro na abertura de novos canais de venda em e-commerce, bem como o aumento das despesas com o pessoal, seja na carga salarial, seja no esforço de formação", sublinha a retalhista.

A nível global, o El Corte Inglés aumentou o lucro em 2,4% para 162 milhões de euros, com o volume de vendas crescer 2% para 15,5 mil milhões de euros,




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 28.08.2017

Podem ter lucro, ou ainda mais lucro. Mas de certeza absoluta que não é pela simpatia, pela disponibilidade e muito menos pelo conhecimento dos empregados das secções de pronto a vestir, aonde fingem não ver os clientes, lá se viram para nós contrariados para empurrar-nos para outra secção que por sua vez faz o mesmo.
Uma miséria. E são pagos para lá estarem a fingir que trabalham.

comentários mais recentes
Anónimo 28.08.2017

Podem ter lucro, ou ainda mais lucro. Mas de certeza absoluta que não é pela simpatia, pela disponibilidade e muito menos pelo conhecimento dos empregados das secções de pronto a vestir, aonde fingem não ver os clientes, lá se viram para nós contrariados para empurrar-nos para outra secção que por sua vez faz o mesmo.
Uma miséria. E são pagos para lá estarem a fingir que trabalham.

Johnny 27.08.2017

Orgulho-me de afirmar aqui perante vós que nunca dei UM UNICO TUSTO a essa corja
Ao belmiro infelizmente já dei algum quando vou comprar bananas e chouriços ao continente... mas ao corte ! NEM UM TUSTO

General Ciresp 27.08.2017

Pode,vai estar aqui 1 caso BICUDO.Com a lei da JARRA so vai ser permitido fazer pagamentos inferior ou igual a 3.000 euros,assim sendo quantos anos vai precisar o el corte ingles para se desfazer dos 20.000.000 de euros q dizem q vao gastar?E so lombas de estrada.Dizia o cantador:devagar,devagarinho

pub