Banca & Finanças Elisa Ferreira diz que fundos usam emissão de dívida do BCP para vincar a sua posição  

Elisa Ferreira diz que fundos usam emissão de dívida do BCP para vincar a sua posição  

A vice-governadora do Banco de Portugal disse hoje que a ausência de grandes fundos de investimento da emissão de dívida do BCP é uma tomada de posição negocial legítima, mas vincou a legalidade da decisão tomada em 2015.
Elisa Ferreira diz que fundos usam emissão de dívida do BCP para vincar a sua posição  
Miguel Baltazar
Lusa 29 de novembro de 2017 às 12:33

"O Banco de Portugal exerceu as suas competências de acordo com a base legal que existe, percebe-se que fundos em determinados momentos tentem valer a sua posição negocial, é legítimo", afirmou Elisa Ferreira à Lusa, à margem do Fórum Banca, que hoje decorre em Lisboa.

 

Na terça-feira, as gestoras de fundos de investimento Attestor Capital, BlackRock, CQS, Pimco, River Birch Capital e York Capital anunciaram que não vão participar na emissão de dívida que o banco BCP está a promover.

 

"Não vamos participar nesta emissão. Cada um decidiu que os riscos associados em investir activamente em dívida pública ou privada portuguesa são proibitivos", afirmou um porta-voz do grupo.

 

Em causa está a decisão de final de 2015 do Banco de Portugal que decidiu transmitir para o 'banco mau' BES obrigações não subordinadas do BES que inicialmente ficaram no Novo Banco, o que acabou por penalizar os fundos que detinham esses títulos, que consideraram a decisão do banco central "ilegal e discriminatória" e puseram acções em tribunal.

 

Questionada sobre se a decisão dos grandes fundos internacionais poderá penalizar os custos de financiamento dos bancos portugueses nos mercados, a vice-governadora escusou-se a fazer considerações e recordou que já aquando da recompra de dívida do Novo Banco, realizada em Outubro, os fundos fizeram pressões e a operação aconteceu.

 

"Não faço considerações sobre isso, percebi as pressões quando se tratou LME do Novo banco e em várias oportunidades aparecem os fundos, mais importante do que isso são as condições de viabilidade do país e essas estão em progresso", concluiu.

 

Ainda na posição divulgada terça-feira, os fundos de investimento manifestaram vontade em "retomar as discussões com as autoridades portuguesas, de forma a resolver rapidamente a situação e restabelecer Portugal como um destino credível para o investimento estrangeiro".

 

Em Maio, o ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu em entrevista à Reuteurs que o Estado estava "em conversações" com grandes fundos internacionais que tiveram perdas com dívida do Novo Banco para "encontrar uma solução que satisfaça os interesses de todos", considerando que lhe cabe a responsabilidade de "encontrar mecanismos que mitiguem" os "riscos" dessa decisão "para o conjunto de todos os agentes e entidades portuguesas".

 

Contudo, desde então não houve mais novidades sobre o assunto e a posição recente dos fundos dá a entender que não há desenvolvimentos.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BCP : OPA A CAMINHO Há 2 semanas

AINDA ESTE ANO A FOSUN LANÇARÁ UMA OPA AO MILENIUM BCP A 0.75 por AÇÃO ou seja - 0.25 que o FALIDO e INSOLVENTE MONTEPIO

J. SILVA Há 2 semanas

Lá está muito vez esta girl instalada , a defender a banditagem de que ela faz parte. A defender o chefe tipo cadela de fila, esquecendo os milhares de cidadãos e famílias que foram lesados pela decisão intespestiva, incompetentye e arbitrária do pulha do seu chefe.

Anónimo Há 2 semanas

Então, mas esta não era uma da boyas do rato? Ai as tentações do dinheiro, elisa...Quando cheira a tacho, que lixe a ideologia.

Rado Há 2 semanas

Que perspicácia!

pub