Banca & Finanças Elisa Ferreira: Esforço para cortar 42 mil milhões em activos não rentáveis “tem de continuar”

Elisa Ferreira: Esforço para cortar 42 mil milhões em activos não rentáveis “tem de continuar”

A vice-governadora do Banco de Portugal coloca no Governo, no Banco de Portugal, BCE e ainda nos bancos a responsabilidade por operacionalizar a redução de crédito malparado.
Elisa Ferreira: Esforço para cortar 42 mil milhões em activos não rentáveis “tem de continuar”
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 29 de novembro de 2017 às 09:52

A redução da carteira de activos não rentáveis, denominadas em inglês por NPE, é um trabalho pela frente da banca portuguesa e quem deixa esse aviso é a vice-governadora do Banco de Portugal, Elisa Ferreira. "O esforço tem de continuar".

 

"Não obstante a evolução positiva, o esforço ainda necessário para reduzir os activos não produtivos é considerável", afirmou a vice-governadora no Fórum Banca, iniciativa do Jornal Económico que se realiza esta quarta-feira, 29 de Novembro, em Lisboa.

 

O montante dos NPE ("non performing exposures"), em que o crédito malparado é o principal activo, ascendia a 42,3 mil milhões de euros em Junho deste ano, segundo adiantou Elisa Ferreira. "Um valor muito elevado" e que permanece acima dos níveis da União Europeia, classificou, ainda que ressalvando o decréscimo de 8,2 mil milhões face a um ano antes.

 

Na sua intervenção, Elisa Ferreira elencou três "pilares interdependentes e complementares" essenciais para o corte destes activos, que obrigam à constituição de imparidades para crédito (reconhecendo perdas à partida para eventuais perdas em créditos concedidos no passado).

 

O primeiro pilar é a "revisão do enquadramento legal, judicial e fiscal", que está a cargo do Governo. Neste campo, estão em causa os processos de recuperação de empresas, que os responsáveis de instituições financeiras defendem ser demasiado longos.

 

Para Elisa Ferreira, o segundo pilar passa pelas acções de supervisão microprudencial, "quer no âmbito do Mecanismo Único de Supervisão quer a nível nacional", na sequência das quais são definidos os calendários incluídos nos planos de cada instituição financeira.

 

Por fim, a terceira fonte necessária para o corte dos activos não rentáveis é a "gestão dos portefólios dos crédito malparado", referindo-se à plataforma que está a ser constituída pela CGD, BCP e Novo Banco, para uma gestão de exposições comuns aos vários bancos.

 

Apesar destas considerações, a vice-governadora do Banco de Portugal deixou elogios aos últimos anos da banca, ressalvando inúmeros indicadores que têm verificado uma evolução positiva, como a redução do rácio de transformação (relação entre créditos e depósitos) e a melhoria dos rácios de capital.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Não desistem e acreditam que é para bem dos bancos? Os maus activos mas estão lá. Porque devem ser vendidos ao desbarato em vez de se tentar cobrar e renegociar? Porque o Eestado quer é perdões a amigos. Vender os créditos por 10% a veículos que depois cobram 20% (ganham 100% e perdoam o resto).

Anónimo Há 1 semana

Anda a Sra. ainda preocuapda com o buraco de 42 mil milhões que os bancos cavaram no passado recente, e já estes paracem ter dado início a um novo ciclo de endividamento dos portugueses e de especulação imobiliária. E para isso não há medidas?

Mr.Tuga Há 1 semana

Uma GIRL do Largo dos RATOS, que nunca fez nada excepto na mama do "estado"....

pub