Banca & Finanças Emigrantes lesados do Novo Banco vão receber 75% dos investimentos

Emigrantes lesados do Novo Banco vão receber 75% dos investimentos

Os emigrantes que são clientes do Novo Banco e têm aplicações bloqueadas em veículos criados pelo BES chegaram a acordo para recuperarem 75% do capital investido no horizonte médio de três anos. As propostas serão apresentadas entre 11 e 28 de Agosto, revela a associação que representa os emigrantes.
Emigrantes lesados do Novo Banco vão receber 75% dos investimentos
Hugo Correia/Reuters
Maria João Gago 09 de agosto de 2017 às 11:07

A AMELP, associação que representa os emigrantes que são clientes do Novo Banco e têm aplicações bloqueadas em veículos criados pelo BES, chegou a acordo com a instituição liderada por António Ramalho para a recuperação de 75% do capital investido, anunciou aquela estrutura na sua página de Facebook.

 

"É com grande satisfação que vos informamos ter chegado a um entendimento com o Novo Banco e o Governo para a recuperação do nosso dinheiro", sublinha o post publicado esta terça-feira, 8 de Agosto.

 

Segundo a informação disponibilizada pela AMELP, estão abrangidas por este entendimento as aplicações nos veículos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7. Para estes produtos, "foi acertada a recuperação de 75% do capital, em dinheiro, num prazo médio de três anos (a solução tem pequenas variações que serão apresentadas nos próximos dias)". Em contrapartida, os emigrantes terão de desistir das acções judiciais contra o Novo Banco.

 

Os clientes com aplicações naqueles produtos vão ser chamados a deslocarem-se aos balcões do Novo Banco entre 11 e 28 de Agosto para "aceitação das propostas, num processo totalmente acompanhado pela AMELP". A associação avisa que considera este "chamamento honesto, verdadeiro e necessário". E alerta que "quem não aceitar a solução" durante estes dias "corre o risco de ficar de fora".

 

Os representantes dos emigrantes lesados receberam ainda a "garantia" do Novo Banco e do Governo que "também haverá solução" para as aplicações nos veículos Euro Aforro 10 e EG Premium. No caso do primeiro produto, a AMELP recomenda aos seus associados que aceitem o convite do Novo Banco para se deslocarem aos balcões, uma vez que, "em princípio, poderão receber, já em Outubro, um primeiro depósito parcial (cerca de 15%), correspondente a valores que o Novo Banco encontrou disponíveis no veículo".

 

O acordo foi alcançado numa reunião que teve lugar esta terça-feira, 8 de Agosto, com a presença de quatro representantes da AMELP (Luís Marques, Helena Batista, João Moreira e Nuno da Silva Vieira), o presidente do Novo Banco, António Ramalho, e um representante do Governo, Mariana Melo Egídio.

A AMELP recomenda ainda aos seus associados que reclamem os seus créditos junto da comissão liquidatária do BES, porque, "se vierem a ser considerados credores comuns do BES podem ter direito a 31,7% do capital, a ser pago pelo Fundo de Resolução". E alerta que o prazo para a reclamação de créditos "está em vias de expirar".

 

Por outro lado, a associação avisa que os créditos reclamados pelos emigrantes junto do BES deverão ser classificados como "crédito não reconhecido" quando for publicada a lista de credores do antigo banco da família Espírito Santo. E recomenda que os clientes "impugnem esse não reconhecimento, no prazo de 10 dias a contar da publicação das listas, para manterem os ‘direitos vivos’". 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 09.08.2017

E para onde va os outra 25% para o bolo desse ladro vergonha

comentários mais recentes
tojornais 09.08.2017

Convém aqui perguntar quem vai pagar esses 75%, se nós tugas se os americanos que vão ficar com o banco? Sim porque o Santander ficou com o BANIF, com todo o património dinheiro e clientes e agora quem perdeu o dinheiro está a mandá-los à trampa ou que paguem os tugas?
Como sempre os prejuízos ficam para serem cobertos com os nossos impostos.
Para quando a pena de morte?
Estes nossos governos e governantes afinal são todos da mesma laia, saíram todos de dentro de vacas que nunca conheceram e mais grave é que agora chegamos à conclusão que diferenças entre direita e esquerda não existem, são gémeos siameses.

Anónimo 09.08.2017

E para onde va os outra 25% para o bolo desse ladro vergonha

pub