Banca & Finanças Emigrantes lesados pelo BES escrevem a primeiro-ministro a pedir ajuda

Emigrantes lesados pelo BES escrevem a primeiro-ministro a pedir ajuda

Emigrantes lesados pelo BES enviaram uma carta ao primeiro-ministro em que dizem ter sido discriminados propositadamente na legislação criada para ajudar os lesados bancários e pedem o alargamento da solução comercial do Novo Banco a todos os produtos financeiros.
Emigrantes lesados pelo BES escrevem a primeiro-ministro a pedir ajuda
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 15 de setembro de 2017 às 15:55
"Ficámos estupefactos com a proposta de Lei do Governo, de criação de Fundos de Recuperação de Créditos, que discrimina intencionalmente estes emigrantes, bem como com a votação da proposta do BE, que mantém esta mesma discriminação", diz a carta enviada a António Costa por advogados da sociedade Pereira de Almeida, que dizem representar "várias centenas de emigrantes lesados do BES".

A carta fala ainda da proposta comercial feita pelo Novo Banco a clientes que tinham produtos financeiros do BES associados a ações preferenciais, sobretudo por essa não abranger os produtos EG Premium e Euroaforro 10, "apesar de se tratarem de produtos que foram comercializados exatamente nos mesmos termos que outras ações preferenciais".

"Esta discriminação é inadmissível num Estado democrático e violadora do princípio de igualdade constitucionalmente garantido", refere a carta a que a Lusa teve acesso, hoje noticiada pelo jornal Público.

Assim, estes clientes lesados pedem ao primeiro-ministro, António Costa, que "diligencie no sentido de alargar a solução comercial do Novo Banco a todas as ações preferenciais, não discriminando os titulares das ações EG Premium e Euroaforro10".

Em 08 de agosto, a Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP), o Novo Banco e o Governo chegaram a acordo quanto a uma solução que permite a emigrantes que investiram em produtos do ex-BES, e que perderam o dinheiro com o colapso do banco, a receberem até 75% do capital investido em três anos.

Em causa estão mais de 1.000 emigrantes que investiram dinheiro em oito produtos financeiros (Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7) e que não aderiram à proposta comercial feita pelo Novo Banco em 2015.

Ao longo do restante mês de agosto, o Novo Banco contactou esses clientes para lhes apresentar esta proposta, mas ainda não há dados de quantos aderiram, apesar de a vice-presidente da AMELP, Helena Batista, ter dito à Lusa que estavam a aderir "massivamente".

O avançar desta solução comercial, contudo, ainda depende do sucesso da recompra de dívida própria do Novo Banco (atualmente em curso) para ser concretizada.

Contudo, ainda não há qualquer solução para os veículos denominados EG Premium e EuroAforro 10, que pela complexidade dos produtos financeiros envolvidos já levou a que em 2015 o Novo Banco não tivesse feito qualquer proposta comercial.

A vice-presidente da AMELP afirmou então que o Novo Banco garantiu que continua a estudar o mecanismo que usará para compensar os 628 clientes que investiram 75 milhões de euros no EG Premium e os 1.216 clientes que investiram 71 milhões no Euroaforro10.

Após a resolução do BES, em 03 de agosto de 2014, cerca de 8.000 emigrantes de França e Suíça (o equivalente a 12 mil contas, uma vez que há clientes que têm mais do que uma conta) vieram reclamar mais de 720 milhões de euros, acusando o banco de lhes ter vendido produtos arriscados (ações de sociedades veículo), quando lhes tinha dito que se tratavam de depósitos a prazo para não residentes.

A responsabilidade sobre estes produtos ficou, na resolução do BES, no Novo Banco - o banco de transição então criado.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Amilcar Alho Há 1 semana

Só haverá justiça se todos os clientes de retalho forem tratados com equidade. A solução deverá abranger não só os emigrantes como os obrigacionistas subordinados. Quem empresta ao Banco supervisionado pelo BP e pela CMVM fica sem nada e quem empresta a empresas estrangeiras é ressarcido?

zica Há 1 semana

se a ajuda que o monhé der for igual à ajuda que deu aos microinvestidores do banif em 20-12-2015,bem podem esperar!a prenda que o tiques de macaco preparou a40000 micro acionistas eu incluido foi dar o banif de borla ao santander depois de o ter recapitalizado em 3890milhões€ e nos deixar agarrados

Anónimo Há 1 semana

Se a memoria não me falta, foi ele que prometeu que se ganhasse as eleições que resolvia o assunto a favor dos lesados....Mas como ele não ganhou, mas sim a geringonça, ele esqueceu o que prometeu, mas não é de admirar ele esqueceu que o Seguro era do PS.

pub