Banca & Finanças Emigrantes têm mais um dia para aderir à proposta do Novo Banco

Emigrantes têm mais um dia para aderir à proposta do Novo Banco

O Novo Banco adiou por um dia, até 29 de Agosto, o prazo para os clientes emigrantes aderirem à solução comercial que lhes permite recuperar 75% das poupanças bloqueadas em veículos. A associação que representa estes clientes fala de adesão “massiva”.
Emigrantes têm mais um dia para aderir à proposta do Novo Banco
Maria João Gago 28 de agosto de 2017 às 17:37

Os clientes emigrantes do Novo Banco têm mais um dia para aderirem à solução comercial que lhes permite recuperar 75% do capital bloqueado em veículos criados pelo BES. Ao que o Negócios apurou, a instituição adiou para o final do desta terça-feira, 29 de Agosto, o prazo limite para estes clientes formalizarem junto do banco a aceitação da proposta apresentada pelo banco.

 

A decisão do Novo Banco foi tomada depois de se ter verificado uma grande afluência de clientes aos balcões esta segunda-feira, 28 de Agosto, dia em que estava previsto terminar o período de aceitação da solução comercial.

 

Segundo Helena Batista, vice-presidente da AMELP, associação que representa os clientes emigrantes da instituição, os emigrantes lesados pelo BES estão a aderir "massivamente" à proposta do Novo Banco, noticiou a Lusa.

 

A proposta comercial apresentada pelo Novo Banco prevê a recuperação de 75% dos 60 milhões de euros de aplicações bloqueadas nos veículos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7, através de dois depósitos a prazo. Num primeiro momento, os clientes recebem 15% do capital, depois um montante que permita chegar a 60% da aplicação. Graças a três reforços posteriores, a recuperação pode chegar a 75%.

 

Esta proposta está dependente do sucesso da oferta de aquisição de dívida do Novo Banco, já que as poupanças dos emigrantes estão aplicadas em obrigações que o banco quer adquirir e é com essa aquisição quer serão libertados recursos para reembolsar os clientes.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Promessas está o inferno cheio delas....e há por aí políticos gerigonceiros que se fartaram de prometer coisas que agora se esqueceram.

Anónimo Há 3 semanas

Mais um roubo apadrinhado pelo Estado...mas nas eleições ouvi um politico muito conhecido a dizer que que se ganhasse que devolvia tudo aos depositantes....mas isso não sucedeu...pois até são capazes de vender a alma ao diabo quando procuram o poder.

General Ciresp Há 3 semanas

Secalhar era assim,neste caso nao tinha q haver limite de data:quanto mais tempo o lesado demorar a responder mais tempo o banco tem o dinheiro em poder.Ao banco cabia-lhe a obrigacao de alertar o lesado para a situacao encontrada dando o tempo necessario para a resposta,nada a correr e as escondida

General Ciresp Há 3 semanas

Tenho a certeza q ha pessoas q estao cansadas de tudo isto e querem entrar nesta situacao encontrada e nao vao conseguir:foram de ferias antes desta data anunciada,ou ate nem foram e nao vao,e casos ha qo banco nem os comunicou para a situacao encontrada.Eu soube do caso atravez da Sra.jornalista.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub