Aviação Emirates proibida de abrir novas rotas para a China por falhas de segurança

Emirates proibida de abrir novas rotas para a China por falhas de segurança

Falhas de segurança levaram as autoridades chinesas a impedir a companhia de aviação de abrir novas rotas para a China durante seis meses.
Emirates proibida de abrir novas rotas para a China por falhas de segurança
Bloomberg
Lusa 15 de junho de 2017 às 07:08
A Administração de Aviação Civil da China proibiu a companhia aérea Emirates de abrir novas rotas para o país nos próximos seis meses, depois de dois dos seus voos terem registado falhas de segurança.

Os incidentes ocorreram nos dias 17 de Abril e 18 de Maio, no espaço aéreo da cidade de Urumqi, a capital da região do Xinjiang, no noroeste da China.

No primeiro caso, o avião da Emirates voou a uma "altura errada", enquanto no segundo perdeu temporariamente contacto com os controladores de tráfego aéreo.

As autoridades chinesas anunciaram na quarta-feira que multaram a companhia com sede no Dubai em 29.000 renminbi (3.380 euros).

Não é a primeira vez que a Emirates é punida na China.

Em Maio de 2016, a companhia foi proibida de abrir novas rotas ou aumentar a frequência dos voos no país, por um período de seis meses, depois de um avião ter aterrado com pouco combustível.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub