Aviação Emirates “salva” produção do A380 com encomenda de 20 aviões

Emirates “salva” produção do A380 com encomenda de 20 aviões

O pedido da companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos vai garantir a produção do modelo da Airbus nos próximos dez anos.
Emirates “salva” produção do A380 com encomenda de 20 aviões
Bloomberg
Rita Faria 18 de janeiro de 2018 às 12:02

A Emirates fez uma encomenda de 20 aeronaves A380 à Airbus, que renderá à construtora 16 mil milhões de dólares (cerca de 13,1 mil milhões de euros) e a garantia de que não vai parar a produção do maior avião comercial do mundo nos próximos dez anos.

 

De acordo com a Bloomberg, a companhia aérea assinou um acordo preliminar com a Airbus para a compra de 20 aeronaves, com a possibilidade de adquirir mais 16. O contrato chega três dias depois de a fabricante ter avisado que a produção do A380 estava ameaçada caso não houvesse mais pedidos.

"Muito honestamente, se não chegarmos a um acordo com a Emirates", o principal cliente do gigante dos céus, "não haverá outra escolha senão parar o programa", respondeu o director comercial da construtora, John Leahy, ao ser questionado sobre o futuro do aparelho durante a apresentação do balanço comercial do grupo em 2017.

 

O modelo da Airbus – que não recebia encomendas há mais de dois anos – verá a sua produção prolongada pelo menos até 2029, de acordo com a empresa.

"Esta nova encomenda sublinha o compromisso da Airbus de produzir o A380 pelo menos por mais dez anos", afirmou John Leahy, num comunicado citado pela agência noticiosa. "Estou pessoalmente convencido de que mais pedidos virão depois do da Emirates".

Se a companhia dos Emirados Árabes Unidos – que já tem a maior frota deste modelo - comprar as 36 aeronaves previstas no acordo, terá encomendado um total de 178 A380, ou mais de metade de todos os pedidos, a nível mundial. Desde que foi lançado, em 2007 e até ao final 2017, a Airbus recebeu 317 encomendas e entregou 221 aeronaves. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Nao sera` fake news? o comprador nunca pede para lhe venderem; o vendedor e` que pede para lhe comprarem.