Start-ups Empreendedores de sucesso têm de "passar conhecimentos"

Empreendedores de sucesso têm de "passar conhecimentos"

Simon Schaefer, empreendedor e “business angel” alemão, é o líder da Startup Portugal. Defende que os empreendedores nacionais bem-sucedidos têm “passar os seus conhecimentos aos que estão à sua volta”.
Empreendedores de sucesso têm de "passar conhecimentos"
Bruno Simão
Ana Laranjeiro 26 de maio de 2017 às 00:01

Há alguns meses chegou a Portugal Simon Schaefer, empreendedor e "business angel" alemão. Na mala trazia a missão de liderar a Startup Portugal, "uma start-up à volta dos empreendedores". Uma "start-up" que é uma associação privada que tem como objectivo implementar a estratégia de empreendedorismo. Ao Negócios conta que quer fazer "a mediação entre dois mundos". Quer ajudar a que as necessidades dos empreendedores possam chegar ao governo "de forma a que as entenda" e possa actuar.

Simon Schaefer identificou quatro pilares, os quais queria trabalhar em Portugal esperando ver alguns resultados em cerca de dois anos. "Um pilar importante para mim, provavelmente o mais importante, é o dos empreendedores que são bem-sucedidos aqui e agora. Os empreendedores que são bem-sucedidos são os únicos que frequentemente, num país que não está totalmente focado em start-ups, sabem como é que se faz. Estes empreendedores têm de assumir responsabilidades pelos estreantes que estão à volta", explica.

É uma responsabilidade enorme destas pessoas: passarem os seus conhecimentos para os empreendedores que estão à sua volta e impulsioná-los. Simon Schaefer
CEO da Startup Portugal

"Estes empreendedores bem-sucedidos continuam a gerir as suas empresas mas conseguiram levantar dinheiro junto de capitais de risco internacionais, conseguiram dar os passos cruciais para passarem à fase seguinte. Acho que isso é uma responsabilidade enorme destas pessoas: passarem os seus conhecimentos para os empreendedores que estão à sua volta e impulsioná-los. Isso foi uma das coisas que aconteceu em Berlim e foi realmente importante", acrescentou.

O segundo foco está relacionado com a atracção de empresas tecnológicas estrangeiras e de "unidades de inovação de grandes empresas porque criam um efeito de arrasto".

No início deste mês, a construtora automóvel Mercedes-Benz abriu em Lisboa o primeiro centro de competências digitais, para o qual pretende contratar 125 talentos até 2018. Questionado se outros projectos poderiam vir para Portugal, o CEO da Startup Portugal não avançou no assunto, admitindo apenas que já falou "com algumas grandes empresas".

O terceiro pilar está ligado ao financiamento. "Fazer com que as pessoas venham cá, vejam que tipo de negócios e que tipo de cultura empreendedora existe. Isso é uma coisa que o Web Summit faz melhor do que eu alguma vez poderia fazer", no entanto não descarta a sua responsabilidade neste pilar e, por isso, diz acreditar que "talvez, haja mais formas".

Por fim, a última questão é o ambiente empresarial local. Ou seja, conseguir que as grandes empresas possam embarcar na inovação. "É um processo longo conseguir que algumas empresas inovem e que entrem a bordo. Essa é uma das coisas em que acho que precisamos de criar muita exposição".

O alemão que lidera a Startup Portugal

Numa das salas do Ministério da Economia, Simon Schaefer conta que trocou Berlim por Lisboa por "várias coisas". O empreendedor, líder da Startup Portugal, tem no currículo o lançamento de várias empresas e o investimento em outras como "business angel". Schaefer, que já entende português mas não fala, foi também um dos fundadores do Startup Europe Summit, um evento - como descreveu - que reúne "políticos diferentes, lobbies, start-ups, capitais de risco, colocando-as no mesmo espaço a debaterem os seus problemas". Veio também para Lisboa para construir a Factory, uma incubadora de start-ups alemã.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Pais Lopes 27.05.2017

Um Alemão , bem eu gostava mesmo era que fosse um Português .

Camponio da beira 26.05.2017

Para Passos um empreendedor de sucesso é Dias Loureiro. E admira como agora Passos não foi mostrar solidariedade aos arguidos do Bpn,

pub
pub
pub
pub