Bolsa Empresa com três fábricas em Portugal prepara entrada em bolsa

Empresa com três fábricas em Portugal prepara entrada em bolsa

A Gestamp, fabricante de componentes automóveis, está a preparar uma oferta pública inicial, que será a maior operação na Europa este ano.
Empresa com três fábricas em Portugal prepara entrada em bolsa
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 13 de março de 2017 às 09:08

A Gestamp, que em Portugal tem três fábricas, está a preparar a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), tendo como objectivo a venda de 25% do capital, segundo a imprensa espanhola.

 

O Financial Times adianta que a operação avalia a Gestamp em 3,7 mil milhões de euros e, a confirmar-se, será a maior operação na Europa este ano.

 

O objectivo é vender 25% do capital e colocar as acções nas bolsas de Madrid, Barcelona, Bilbao e Valência, adianta o FT.

 

O El Confidencial, que cita um documento oficial, diz que a operação deverá estar concluída ainda no segundo trimestre deste ano. O documento adianta ainda que a operação passará pela "venda de acções existentes, propriedade da holding familiar Acek e da sua filial Risteel, a investidores internacionais".

 

A família Riberas, dona do grupo, tem intenção de se manter como accionista maioritária e a japonesa Mitsui, que detém mais de 12% da Gestamp, também pretende manter a posição actual, segundo o El Confidencial.

 

A Gestamp fechou o ano de 2016 com receitas de 7,5 mil milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 7,3% face ao ano anterior. A empresa salienta, no comunicado emitido na semana passada, que este é um recorde. O EBITDA cresceu 10,6% para 841 milhões de euros, enquanto os resultados antes de impostos aumentaram 37,7% para 348 milhões, segundo os dados disponibilizados no site da empresa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Mas que inteligente forma de recuperar o investimento, para inviar para o santuario, e deixar o risco de falhanco para os acionistas; tudo isso prova falta de confianca no foturo.

pub