Empresas Empresa da Lucky Strike compra a da Camel e garante liderança do sector

Empresa da Lucky Strike compra a da Camel e garante liderança do sector

O acordo já foi alcançado. A British American Tobacco garantiu o acordo para comprar a Reynolds American, com a oferta melhorada. Põe assim fim a uma batalha de três meses. E junta os Lucky Strike aos Camel.
Empresa da Lucky Strike compra a da Camel e garante liderança do sector
Alexandra Machado 17 de janeiro de 2017 às 14:49
A oferta tinha sido melhorada e com ela chegou o acordo para British American Tobacco (BAT) e Reynolds passarem a ser uma única empresa. A BAT convenceu os accionistas da Reynolds ao pôr em cima da mesa um cheque de 49,4 mil milhões de dólares (46,6 mil milhões de euros). A BAT já detinha 42% da Reynolds e agora chegou a acordo para tentar ficar com os restantes 58%.

Com o acordo chega ao fim uma batalha de quase três meses, no âmbito da qual a BAT tentou controlar a Reynolds.

A BAT aumentou a componente da oferta em dinheiro. E subiu a parada em cerca de dois mil milhões de dólares.

Segundo a British American Tobacco, a sua proposta avalia cada acção da Reynolds em 59,64 dólares, mais 5,6% que a proposta anterior, feita em Outubro, de 56,5 dólares. Na nova oferta, 29,44 dólares serão pagos em dinheiro e o restante em acções. Ou seja, por cada acção da Reynolds, os seus accionistas receberão 0,526 acções da BAT. O que avalia a Reynolds em 86 mil milhões de dólares, e garante à BAT o regresso ao mercado norte-americano, onde já não estava de forma directa há 12 anos. 

O que avalia a Reynolds num rácio de 16,9 vezes o seu EBITDA, o que a BAT diz ser um múltiplo maior que o comparável na indústria.


Apesar do portfólio de marcas da Reynolds, a BAT está mais interessada, segundo explica a Bloomberg, nos produtos substitutos dos cigarros tradicionais, como o cigarro electrónico Vuse.

Os analistas, segundo a agência de notícias, dizem que a subida da oferta pode também estar relacionada com o esperado corte de impostos sobre empresas prometido por Donald Trump, que toma posse como presidente dos EUA esta sexta-feira.

A BAT espera conseguir sinergias de 400 milhões de dólares com esta aquisição, em três anos. Combinadas as duas empresas superam a Philip Morris International, produtora do Marlboro. Só nos EUA, a nova companhia ficará com 35% do mercado. A BAT é detentora de marcas como Lucky Strike, Dunhill, Rothmans e a Reynolds detém a Camel, Pall Mall, Newport. 






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub