Transportes Empresa dos franceses da Natixis compra posições em auto-estradas da Madeira

Empresa dos franceses da Natixis compra posições em auto-estradas da Madeira

O fundo de infra-estruturas Mirova anunciou ter adquirido participações maioritárias em duas concessionárias de auto-estradas na Madeira, a ViaExpresso e ViaLitoral.
Empresa dos franceses da Natixis compra posições em auto-estradas da Madeira
Bruno Simão/Negócios
Negócios 25 de janeiro de 2018 às 17:03

A Mirova, uma filial da Natixis Investment Manager, anunciou esta quinta-feira ter adquirido participações em duas concessionárias de auto-estradas em Portugal. 

Em comunicado, adianta ter adquirido posições de 23,8% na Via Expresso e de 35,2% na Via Litoral, ambas na Madeira, a um conjunto de entidades, mas não revela valores. A Mirova é uma subsidiária do Natixis, um banco de investimento francês que elevada dimensão.

"Este é o primeiro acordo fechado em Portugal pela Mirova Core Infrastructure Sarl, uma empresa totalmente detida pelo Mirova Core Infrastructure Fund. O fundo de 700 milhões de euros é dedicado a parcerias públicas privadas já existentes na Europa Continental, e é administrado pela Mirova", refere no comunicado.

A Via Expresso, com uma extensão de 69 quilómetros, entrou ao serviço em 2005, enquanto a ViaLitoral totaliza 36 quilómetros e está a operar desde 2001.

Gwenola Chambon, que lidera a área de fundos de infra-estruturas da Mirova, salienta no comunicado que "esta transacção demonstra a capacidade da Mirova de implementar rapidamente capital em toda a Europa continental e é consistente com nossa ambição de oferecer oportunidades de investimento de longo prazo para os nossos clientes, ao mesmo tempo em que apoia a sustentabilidade da economia local e o desenvolvimento comunitário".

"Estamos ansiosos para trabalhar com nossos parceiros do consórcio, incluindo AFA, Tecnovia, Somague, BPI e Região Autónoma da Madeira, para facilitar a continuidade de serviço de alta qualidade", acrescenta.

Até à data, o Mirova Core Infrastructure Fund investiu predominantemente em PPP europeias e concessões de infra-estrutura, abrangendo redes de transporte a redes de banda larga, a uma ampla gama de projectos de infra-estrutura social.

Os accionistas da Via Litoral eram até agora a Região Autónoma da Madeira (com 20%) , a AFA SGPS (23,666%), a Tecnovia Madeira (18,667%), Andrade Gutierrez (18,667%), Lineas (4,75%), Banco BPI (4,75%), o BCP (8,5%) e Seguradoras Unidas (1%), de acordo com o site da concessionária.

 

Na ViaExpresso, a estrutura accionista disponível no seu site já revela que a Mirova detém 23,8%. Os restantes accionistas são a Região Autónoma da Madeira ( 20%), Afavias (26%), Construtora do Tâmega Madeira (14%), Somague – Engenharia (11,2%) e Tecnovia Madeira (5%).

Na transacção, a Mirova foi assessorada pelo CaixaBI, Linklaters, ALG, KPMG e Willis Towers Watson, enquanto os vendedores foram assessorados por Haitong Bank e Vieira de Almeida.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub