Empresas Empresa canadiana "está a dar o máximo" para descobrir petróleo na costa portuguesa

Empresa canadiana "está a dar o máximo" para descobrir petróleo na costa portuguesa

O director-geral da Mohave Oil & Gas, Arlindo Alves, disse hoje que a empresa de prospecção petrolífera "está a dar o máximo" para descobrir petróleo no mar da costa portuguesa.
Lusa 09 de Agosto de 2011 às 20:15
"Estamos a tentar dar o máximo para descobrir. Estamos à procura dos melhores dados, a aplicar a melhor tecnologia que existe, mas ninguém pode garantir se vamos descobrir ou não", disse aos jornalistas Arlindo Alves.

A Mohave Oil & Gas, de capitais canadianos, opera em Portugal há 18 anos e dispõe atualmente de cinco concessões de prospecção, três 'onshore' (em terra), em Aljubarrota, Rio Maior e Torres Vedras e duas 'offshore' (no mar), estas designadas São Pedro de Moel e Cabo Mondego.

Arlindo Alves diz que a costa portuguesa "é similar à costa do Canadá, onde houve descobertas", mas também à costa norte de África, onde existe produção de gás.

O responsável considerou que a chamada Bacia Lusitânica "ainda não foi explorada na sua totalidade" e que, nos últimos anos, as operações da Mohave Oil & Gas em Portugal envolveram investimentos de 60 milhões de dólares (42 milhões de euros).

"Só nos últimos dois anos foram 23 milhões de dólares [16 milhões de euros]", disse. A operação que está a decorrer no mar (São Pedro de Moel e Cabo Mondego) até meados de Setembro envolve uma embarcação que reboca dez cabos submergidos com seis quilómetros de comprimento e cem metros de distância entre cada um deles (um quilómetro de largura total).

Os cabos integram sensores responsáveis pela leitura do choque de ondas sonoras com a superfície do oceano, previamente "enviadas" com recurso a canhões de ar, tecnologia conhecida como prospecção sísmica a três dimensões (3D).

Os dados recolhidos permitem perceber quais as formações rochosas no subsolo do leito marítimo e são depois interpretados por geólogos e geofísicos "que dizem onde [futuramente] perfurar", explicou.

"A hipótese de acertar é de 10%", estimou.

Para a sondagem obter resultados o navio tem de navegar a uma velocidade constante -- não pode parar -- e há que contar com impedimentos vários que decorrem do vento ou problemas com ruídos exteriores, como, por exemplo, motores de outras embarcações nas proximidades.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
lmsilva999 10.08.2011

Teoricamente e desejavelmente isso que o senhor disse é inteiramente verdade. Porém:Compromisso social? Desde quando hoje em dia isso existe para a esmagadora maioria das empresas? Emprego de mão-de-obra local? Muito discutível, pois muitas empresas deste tipo que falamos emprega worldwide. trabalho a empresas locais? ainda mais discutível, pois até a própria EDP Gás mete empresas espanholas com funcionários espanhóis a instalar as infraestruturas em Portugal (pelo menos no norte do país). Enfim, tudo o que disse é o desejável, mas, e claro é apenas a minha sensibilidade para a coisa, pouco dará a Portugal comparado com o que as pessoas pensam que daria. Só disse o que disse para esfriar um pouco o pensamento +/- comum e que se traduz com: descobriram petróleo em Portugal? Epá, é nosso e vamos ficar uma maravilha. Petróleo é excelente para quem o explora. Para quem apenas explora os seus impostos epá... peanuts comparado com o que as pessoas pensam.

joaopires5 10.08.2011

XX

joaopires5 10.08.2011

XX

joaopires5 10.08.2011

XX

ver mais comentários
pub