Empresas Empresa de Passos conseguiu maior parte de fundos geridos por Relvas

Empresa de Passos conseguiu maior parte de fundos geridos por Relvas

O jornal "Público" noticia uma investigação feita aos contratos celebrados entre a Tecnoforma e o Estado português. O período de maior sucesso da empresa deu-se enquanto Passos Coelho era seu consultor e Miguel Relvas responsável por um programa de formação financiado pelo Estado e UE.
Negócios 08 de outubro de 2012 às 10:14
Pedro Passos Coelho foi consultor da Tecnoforma no triénio de 2002 a 2004, altura em que Miguel Relvas era secretário de Estado da Administração Local de José Manuel Durão Barroso.

Segundo a investigação do “Público”, a empresa conseguiu ficar com a fatia de leão dos contratos celebrados na região Centro, no âmbito do programa Foral, durante o período em que contou com os serviços de consultoria de Passos Coelho.

O programa financiado pela União Europeia e Estado português estava sob a competência do secretário de Estado da Administração Local. Contudo, a aprovação dos projectos apresentados por empresas privadas na região Centro era feita pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, liderada por Paulo Pereiro Coelho.

Segundo os dados apurados pelo "Público", a maior parte do negócio de formação profissional da Região Centro foi parar à Tecnoforma. A empresa ficou com 86% dos fundos destinados à região e conseguiu 63% dos contratos celebrados. Face aos realizados em todo o país, a empresa que não tinha uma posição de liderança ou de destaque no mercado da formação, conseguiu 26% dos contratos.

O programa Foral foi criado por António Guterres, em 2001, e absorveu cerca de 100 milhões de euros. Ressalve-se, no entanto, que apenas uma parte foi para os privados. A maior parte, segundo o jornal "Público" foi para as autarquias.

Tanto Miguel Relvas como Paulo Pereira Coelho foram membros da Juventude Social Democrata e estão ligados à liderança de Pedro Passos Coelho da juventude laranja. Relvas foi secretário-geral e Pereira Coelho ocupou um dos lugares na Comissão Política. Além disso, Miguel Relvas foi sócio de Passos Coelho numa empresa de consultoria que não tinha qualquer actividade, no período em que o actual primeiro-ministro foi consultor da Tecnoforma.



pub