Empresa portuguesa vai criar rede nacional em Angola de frio num investimento de 38 milhões
22 Março 2012, 10:53 por Lusa
Enviar por email
Reportar erro
0
Uma empresa portuguesa vai assegurar a montagem de uma rede de frio a nível nacional, em Angola, em parceria com empresários angolanos, num investimento de cerca de 38 milhões de euros, disse à agência Lusa fonte ligada ao projecto.
O investimento é da Hipogest e vai ao encontro das necessidades da garantia de escoamento e distribuição de produtos alimentares, com a criação de cinco pólos espalhados por Angola.

O anúncio do investimento foi feito à margem da visita oficial que a ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, de Portugal, Assunção Cristas, está a efectuar a Angola.

Em declarações à Lusa, Assunção Cristas destacou a importância deste investimento, sobretudo por partir de uma empresa portuguesa.

"A presença de empresas portuguesas em Angola é conhecida em várias áreas. Do ambiente ao tratamento de águas, passando pelo saneamento e gestão de resíduos, construção e também na agricultura há presença de empresas portuguesas. É muito crítico Angola dar este passo para ter uma rede de frio que permita que a produção aumentando possa também chegar em boas condições ao seu destino", sublinhou.

Segundo Assunção Cristas, "um dos maiores problemas, aliás identificados pela FAO [Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura] a nível mundial é fazer chegar os produtos em boas condições ao consumidor, ao seu destinatário", disse.

"Por isso é tão importante este passo que foi dado por uma empresa portuguesa em parceria com uma empresa angolana", acentuou.

Terça-feira, na deslocação que fez à província da Huíla, sudoeste de Angola, Assunção Cristas destacou a importância do desenvolvimento da agricultura e da agro-indústria com a criação de uma rede de frio.

Portugal tem uma grande experiência na área da logística, na área do frio, da refrigeração, acrescentou.

O contrato para este investimento já foi validado pelo Conselho de Ministros angolano, concluiu.
Enviar por email
Reportar erro
0