Empresas Empresas podem aceder partir de hoje às linhas de Crédito Capitalizar de 1.600 milhões de euros

Empresas podem aceder partir de hoje às linhas de Crédito Capitalizar de 1.600 milhões de euros

As linhas Capitalizar foram lançadas a 16 de Janeiro e passam agora a estar disponíveis nos bancos que assinaram os protocolos.
Empresas podem aceder partir de hoje às linhas de Crédito Capitalizar de 1.600 milhões de euros
Lusa 01 de fevereiro de 2017 às 08:27

As pequenas e médias empresas (PME) podem a partir de hoje recorrer às cinco linhas de Crédito Capitalizar, com um montante global de 1.600 milhões de euros, junto das instituições financeiras, de acordo com o Ministério da Economia.

 

Espera-se que o Crédito Capitalizar venha a apoiar cerca de 20.000 empresas.

 

As linhas Capitalizar foram lançadas a 16 de Janeiro e passam agora a estar disponíveis nos bancos que assinaram os protocolos.

 

A linha de Crédito Capitalizar, que se insere no programa Capitalizar, é gerida pela PME Investimentos em articulação com o Sistema Nacional de Garantia Mútua, destinadas a PME com montantes de financiamento por empresa entre 25 mil e dois milhões de euros e com prazos entre três e 10 anos.

 

O Crédito Capitalizar está estruturado em cinco linhas: Micro e pequenas empresas; Fundo de maneio; Plafond de tesouraria; Investimento geral; e Investimentos projectos 2020.

 

A linha Micro e Pequenas Empresas tem uma dotação de 400 milhões de euros e visa potenciar o acesso a financiamento para investimentos em activos e reforço de capitais, enquanto a de Fundo de Maneiro conta com uma dotação de 700 milhões de euros e tem como objectivo financiar necessidades de fundo de maneio das empresas com financiamentos de médio prazo, em alternativa ao crédito de curto prazo.

 

Já a linha Plafond de Tesouraria, com uma dotação de 100 milhões de euros, pretende alargar a oferta de crédito em sistema de 'revolving', dando uma maior flexibilidade à gestão corrente de tesouraria, segundo a tutela. A linha Investimento Geral conta também com um orçamento de 100 milhões de euros e visa financiar investimentos em activos com elevado prazo de recuperação.

 

Com o montante de 300 milhões de euros, a linha Investimento Projectos 2020 pretende alargar a oferta de crédito bancário para financiamento de projectos aprovados no âmbito do Portugal 2020, com enfoque em despesas elegíveis e outros segmentos de mercado em que a Linha de Crédito e Garantias IFD 2016-2020 possa vir a relevar-se insuficiente, segundo o ministério.

 

"São linhas que pretendem dar dinheiro às empresas com prazos mais favoráveis do que a banca consegue conceder, como também spreads mais baixos, permitindo assim às empresas, em particular às pequenas e médias empresas financiarem-se num contexto mais amplo do que as linhas que já tínhamos lançado anteriormente", afirmou o ministro à Lusa a 16 de Janeiro.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub