Empresas Empresas portuguesas em 2015: mais capital, mais lucros e menos dívida

Empresas portuguesas em 2015: mais capital, mais lucros e menos dívida

2015 foi um ano positivo para a saúde financeira das empresas portuguesas, com a grande maioria dos indicadores a evoluir de forma favorável. Destaca-se o aumento dos lucros e do capital e a redução do endividamento e dos custos com juros.
Empresas portuguesas em 2015: mais capital, mais lucros e menos dívida
Bruno simão
Nuno Carregueiro 30 de Novembro de 2016 às 14:46

O elevado endividamento e baixa rentabilidade e capitalização das empresas portuguesas é apontado como um dos factores negativos que mais pesa sobre o sector privado da economia portuguesa.

Um ano não é suficiente para resolver o problema, mas os dados referentes a 2015, divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal, mostram uma melhoria nos principais indicadores das empresas privadas portuguesas do sector não financeiro.

 

Os indicadores económico-financeiros das empresas não financeiras privadas mostram uma subida da rentabilidade das companhias portuguesas, o que foi acompanhado por uma subida dos lucros, redução dos custos com juros e do endividamento.

 

No ano passado a rendibilidade dos capitais próprios das empresas portuguesas situou-se em 7,6%, mais do que duplicando o registado em 2014 (2,8%). Trata-se mesmo do melhor registo desde que este indicador atingiu 10,1% em 2010, ano anterior ao pedido de assistência financeira que Portugal solicitou aos parceiros europeus e ao FMI.

 

Mas são vários os indicadores que comprovam que 2015 foi um ano de melhoria para o sector privado em Portugal, quer ao nível da demonstração de resultados, quer do balanço financeiro.


O peso do capital próprio no activo fixou-se em 32,4% no ano passado, o que representa o nível de capitalização mais elevado desde pelo menos 2006.E uma melhoria substancial face aos anos anteriores (30,2% em 204 e 2013 e abaixo de 30% no ano anterior).
 

A autonomia financeira, medida através da relação entre o capital próprio e o activo, aumentou mais de 2 pontos percentuais para 32,4%. E o peso dos empréstimos sobre o total do activo baixou 1,5 pontos percentuais para 32,6%.

 

Este indicador atingiu o nível mais baixo desde 2007 e compara com o máximo de 36% fixado em 2012, o que mostra uma descida do endividamento das empresas portuguesas.

 

Esta tendência, bem como a descida das taxas de juro de referência, resultou também numa descida dos custos financeiros das empresas portuguesas. O custo da dívida, medido pelo rácio entre os juros suportados e os financiamentos obtidos, atingiu 3,7% no ano passado, o que representa uma descida de quatro décimas face a 2014. Este nível é o mais baixo desde pelo menos 2006 e compara com o máximo de 5,8% fixado em 2008.

 

"A redução do endividamento e do custo da dívida, combinada com o aumento da rendibilidade resultou numa melhoria generalizada dos rácios de financiamento", assinala o Banco de Portugal, destacando que o rácio de cobertura de juros suportados (EBITDA/juros suportados) passou de 3,7 para 5,4 e que o rácio dos financiamentos obtidos sobre o EBITDA ( que permite aferir o número de anos necessários para as empresas liquidarem os financiamentos, mantendo o actual nível de resultados) baixou de 7 de 5 anos.

 

A subida da rentabilidade das empresas portuguesas em 2015 fica também evidente na evolução dos lucros, que atingiram 3,5% dos rendimentos, mais do que duplicando o registo de 2014 (1,2%).

 

Este indicador atingiu o nível mais elevado desde 2010 (4,4%) e compara com o nível quase nulo registado verificado em 2011 e 2012.

 

Apesar desta melhoria, é ainda elevado a percentagem de empresas que dão prejuízo. Em 2015, 39,6% das companhias portuguesas tinha resultados líquidos negativos, o que traduz uma descida de 2,9 pontos percentuais face a 2014.

 

Ao nível operacional, também diminui a percentagem de empresas com EBITDA negativo (recuaram 2,3 pontos percentuais para 33,2%), bem como as que não geram EBITDA suficiente para fazer face aos juros suportados (queda de 2,1 pontos percentuais para 14,5%).

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O privado desalavanca, faz esforços, corta, trabalha mais, sofre, dá a volta, paga mais impostos. O Estado?! O Estado não pode fazer nada disso em nome dos valores de Abril, em nome das 35h, em nome do trabalho vitalício... entretanto a dívida não pára de subir e as próximas gerações que se lixem.

Ao mais votado (como é que se vota?) Há 1 semana

Passe numa esquadra da policia e apresente queixa seu parolo invejoso e maldizente.

Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


Resposta de ChinesShangaia Anónimo Há 1 semana

És um porco, vai trabalhar deixa o computador da biblioteca do Bairro para os putos e vai procurar trabalho asno.

pub
pub
pub
pub