Empresas Empresas vão ter sistema de alerta precoce de riscos

Empresas vão ter sistema de alerta precoce de riscos

O Governo aprovou esta quinta-feira, 18 de Maio, em Conselho de Ministros um conjunto de novas medidas do Programa Capitalizar, para fomentar a capitalização de empresas e evitar insolvências quando ainda seja possível. Pacote inclui novos incentivos fiscais e um alargamento dos Vistos Gold.
Empresas vão ter sistema de alerta precoce de riscos
Paulo Duarte
Filomena Lança 18 de maio de 2017 às 16:36

A informação que as empresas prestam anualmente através da Informação empresaria Simplificada (IES) e que é enviada, entre outras entidades, para o Banco de Portugal (BdP) vai servir de ponto de partida para uma avaliação que permitirá lançar alertas precoces às empresas potencialmente em dificuldades com conselhos e indicações sobre o que poderão fazer para evitar o pior, leia-se, uma situação de insolvência.

 

O sistema de alertas precoce, assim lhe chamou o governo, foi aprovado esta quarta-feira, 18 de Maio, em conselho de Ministros, e a ideia é que esteja já em funcionamento no final deste ano e tendo por base os dados da IES que as empresas já entregaram com os dados referentes a 2016.

 

A medida faz parte de mais um lote que integra o Programa Capitalizar e que inclui também incentivos fiscais à recapitalização através de capitais próprios ou de lucros retidos, e à recuperação de empresas através de acordos voluntários.

 

Vistos Gold a quem investir em empresas em situação difícil

 

Uma outra medida hoje anunciada passa pela possibilidade de os estrangeiros que queira investir em Portugal e assim obterem vistos de residência, os chamados Vistos Gold, poderem garantir as autorizações através de investimento em empresas em dificuldades.

 

Os investimentos em causa terão de ascender a 200.000 euros se se tratar de empresas em situação económica difícil que estejam com um plano de recuperação. Tratando-se de criação de empresas ou reforço do capital social de empresas nacionais, o investimento terá de ser de 350.000 euros e desde que se criem ou mantenham cinco postos de trabalho permanentes.

 

Finalmente, e ainda para os vistos Gold, baixa-se de 500 mil para 350 mil euros o investimento necessário caso de trate de fundos destinados à capitalização das empresas portuguesas.

 

Numa conferência de imprensa que reuniu no Ministério da Economia os titulares das pastas da Economia e da Justiça, bem como os responsáveis pela Estrutura de Missão que preparou as medidas do Capitalizar, o Governo fez também um balanço do que já está concluído, sublinhando que a taxa de execução atinge os 77%, com 51 medidas implementadas.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub