Banca & Finanças Empréstimo do CaixaBank a Angola ainda não passou de projecto

Empréstimo do CaixaBank a Angola ainda não passou de projecto

O empréstimo de 400 milhões de euros do CaixaBank a Angola refere-se “a um projecto de acordo quadro” que “ainda não foi celebrado”. No prospecto da OPA ao BPI, catalães esclarecem que o risco de qualquer financiamento a conceder está “garantido por uma companhia de seguros de crédito”.
Empréstimo do CaixaBank a Angola ainda não passou de projecto
Reuters
Maria João Gago 16 de janeiro de 2017 às 22:36

O empréstimo de 400 milhões de euros do CaixaBank a Angola, cuja aprovação foi publicada no Jornal Oficial da República de Angola, ainda não resultou na concessão de qualquer financiamento, esclarece o grupo catalão no prospecto da oferta pública de aquisição (OPA) sobre o BPI.

 

Em causa está um "projecto de acordo quadro, ‘standard’ no mercado, relativo ao eventual financiamento de potenciais operações de crédito comprador (‘export finance’) sujeitas a avaliação e aprovação casuística pelo CaixaBank", esclarece aquele documento. No entanto, "à presente data, tal acordo quadro não foi ainda celebrado, nem o oferente assumiu qualquer compromisso de o vir a celebrar", sublinha a instituição liderada por Gonzalo Gortázar.

 

O grupo catalão chama ainda a atenção que qualquer financiamento que venha a ser concedido no âmbito deste projecto de acordo tem uma protecção. "O risco de crédito de cada operação futura [está] sempre garantido, salvo residualmente, por uma companhia de seguros de crédito", revela o prospecto.

 

O CaixaBank assinala ainda que as eventuais operações de financiamento ficarão "sujeitas a avaliação e aprovação casuística pelo Caixabank, sem que este assuma, ao abrigo de tal acordo, qualquer obrigação de financiamento (ou seja, numa base ‘uncommitted’)".

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira 23.02.2017

Não me parece que os espanhois sejam assim tão anjinhos!!!!

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub