Indústria Encerramento das 16 lojas da Aerosoles põe em risco empresa de Esmoriz

Encerramento das 16 lojas da Aerosoles põe em risco empresa de Esmoriz

As nove lojas de Portugal e as sete de Espanha vão encerrar no fim de Fevereiro, levando ao despedimento de 45 funcionários.
Encerramento das 16 lojas da Aerosoles põe em risco empresa de Esmoriz
Salomé Pinto 14 de fevereiro de 2018 às 12:22

A falência do grupo norte-americano Aerogroup International, dono da marca de sapatos Aerosoles, pode colocar em risco a empresa de Esmoriz, MoveOn, que detém a licença de produção e comercialização da marca na Europa, Índia e África do Sul, revelam esta quarta-feira os jornais Expresso  e Dinheiro Vivo.

O primeiro impacto vai ser o encerramento da rede de lojas da Aerosoles em Portugal (nove) e Espanha (sete), o que vai levar ao despedimento de 45 funcionários, revela o director-geral da MoveOn ao Expresso. E acrescenta ao Dinheiro Vivo: "Foi um ano mau. Muito mau. O Aerogroup International está em liquidação e deixou-nos um rombo de quase dois milhões de euros por receber". Os Estado Unidos absorviam 40% da produção e com a insolvência da casa-mãe a empresa de Esmoriz deixou de fabricar 200 mil pares de sapatos.

A sobrevivência pode estar em risco, mas Fernando Brogueira tem já uma carta na manga. Em declarações aos jornalistas no stand da feira de calçado de Milão (Micam), apresentou a nova marca de sapatos da empresa: a Saydo. O objectivo é produzir sapatos de homem e senhora com o mesmo conceito de conforto da Aeroroles, mas para "um consumidor mais jovem, na casa dos 30 a 40 anos".

A MoveOn terá, este ano, um prejuízo de cerca de 2,5 milhões de euros. A empresa é o que resta da Investvar, que chegou a ser o maior grupo de calçado nacional, com 600 trabalhadores distribuídos por quatro fábricas, além de uma rede de 120 lojas em toda a Europa.

Em 2009, quando recorreu aos tribunais em situação de falência, acumulava cerca de 40 milhões de euros de dívidas. Só os prejuízos de 2008 foram de 20 milhões. Entretanto, a empresa foi comprada pela ECS Capital, o fundo de recuperação de empresas detido pelo Estado e pelos cinco maiores bancos nacionais que eram, também, os maiores credores da Investvar, e vendida, em 2010, aos indianos da Tata International, que renegociaram o uso da marca Aerosoles.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.02.2018

A crise à meia dúzia de anos atrás começou assim... Falências atrás de falências. Este ano ainda agora começou e já vamos com umas poucas... PS está a trabalhar bem, palminhas...

pub