Indústria Engenheiro de Aveiro recebe "Óscar" da Bosch

Engenheiro de Aveiro recebe "Óscar" da Bosch

Luís Monteiro é o primeiro trabalhador português a ganhar este prémio individual da multinacional alemã, atribuído pela invenção que gerou uma nova tecnologia no sistema de combustão dos esquentadores.
Engenheiro de Aveiro recebe "Óscar" da Bosch
O director executivo da Bosch, Volkmar Denner, entregou a distinção a Luís Monteiro em Setembro, na Alemanha.
Direitos Reservados
António Larguesa 23 de outubro de 2017 às 13:01

O engenheiro mecânico que lidera a equipa de desenvolvimento de produto na Bosch Termotecnologia, em Aveiro, foi distinguido como um dos dez melhores inventores do grupo alemão em 2017, num universo de 50 mil engenheiros em todo o mundo. Recebeu o prémio das mãos do director executivo, Volkmar Denner, por uma inovação que já está a ser aplicada nos esquentadores da marca.


Licenciado no Instituto Superior Técnico (1995-2000) e com mestrado na área de produtos petrolíferos e engenhos de combustão interna concluído no ano seguinte na escola do Instituto Francês do Petróleo (IFP), Luís Monteiro é o primeiro português a vencer este prémio individual, que a empresa apresenta como "um dos Óscares da engenharia", por uma invenção que "veio introduzir uma nova tecnologia do sistema de gestão da combustão do esquentador".

 

Nas palavras do vencedor da edição deste ano do "Bosch Inventor Award", que ingressou em Novembro de 2005 na unidade aveirense que desenvolve e fabrica soluções de água quente, esta tecnologia já patenteada com a designação Optiflow "permite obter uma modulação de potência mais elevada, um comprimento de conduta igualmente mais elevado e contribui para atingir 100% de eficiência térmica".

 

A divisão de Aveiro coordena as actividades mundiais e é o centro de competências do grupo para esquentadores e bombas de calor, tendo também fábricas na China e no México. Com actuação em três segmentos – sistemas de aquecimento em edifícios residenciais, aquecimento de água doméstica e sistemas de aquecimento e ar condicionado industriais e comerciais –, a unidade portuguesa colocou recentemente no mercado o primeiro esquentador que pode ser controlado à distância, via Bluetooth, através de um smartphone ou tablet.

 

Em Portugal, onde emprega quatro mil pessoas, exporta 95% da produção e gerou vendas internas de 1.100 milhões de euros no ano passado, o grupo germânico tem também uma subsidiária da BSH Electrodomésticos (Lisboa) e uma forte presença nas áreas de multimédia automóvel (está a investir quase 50 milhões de euros em Braga) e de sistemas de segurança e comunicação, tendo completado em Setembro o alargamento da fábrica de Ovar.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Apenas a Ordem atribui o grau de Engenheiro. Esta "atribuição" é necessária para implementar estabilidade no exercício da função.
É assim com os Advogados, com os Médicos, e tem de ser com os Engenheiros.
Quem tiver curso de Engenharia acreditado, que se inscreva e não ande no diz que disse.

Anónimo Há 4 semanas

Só e eng quem estiver a inscrito na OE. Os restante são licenciados em engenharia, mestres em engenharia ou doutores em engenharia. Regras...

Anónimo Há 4 semanas

Se é engenheiro é porque está inscrito na ordem. Será só os que estão nessa "ordem de misericórdia" é que podem ser engenheiros? Os restantes formados pelas universidades e institutos superiores de engenharia são amadores?

pub