Media ERC não chegou a consenso. Análise da compra da TVI passa para a Concorrência

ERC não chegou a consenso. Análise da compra da TVI passa para a Concorrência

Depois de ter pedido duas vezes adiamento do prazo para emitir o parecer sobre a compra da Media Capital pela Meo, a ERC não chegou a consenso. O processo transita agora para Autoridade da Concorrência.
ERC não chegou a consenso. Análise da compra da TVI passa para a Concorrência
Miguel Baltazar
Sara Ribeiro 17 de outubro de 2017 às 18:54

Os membros da ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social não chegaram a consenso sobre a compra da Media Capital pela Meo, de acordo com fontes próximas do processo. O prazo dado pela Autoridade da Concorrência (AdC) para emitirem o parecer sobre a operação, adiado já por duas vezes, terminava esta terça-feira, 17 de Outubro.

O parecer da ERC era vinculativo e exigia unanimidade entre os membros do regulador em caso de pretensão de chumbo. Ou seja, para a operação não avançar era necessário o voto, nesse sentido, dos três elementos do regulador - Carlos Magno, Arons de Carvalho e Maria Luísa Gonçalves.

Como durante a última reunião que decorreu esta terça-feira à tarde o negócio não foi vetado, o processo avança por deferimento tácito, passando "a bola" à Autoridade da Concorrência que terá, neste situação, a última palavra a dizer sobre o processo.

De acordo com as informações recolhidas pelo Negócios, dos três elementos do conselho regulador da ERC, apenas Carlos Magno (presidente do regulador) estaria a favor do negócio da compra da dona da TVI pela Meo, uma operação avaliada em 440 milhões de euros. Arons de Carvalho e Maria Luísa Gonçalves estariam contra o processo, de acordo com as mesmas fontes.

Aliás, a ERC deverá divulgar em breve o parecer, com uma declaração de voto de cada um dos três elementos do conselho regulador.

Agora, o regulador da concorrência terá de dar seguimento ao processo e no final de 30 dias úteis, após a notificação do parecer da ERC, terá que se pronunciar. A AdC poderá aprovar a operação ou concluir que o negócio não está abrangido pelo procedimento de controlo de concentrações.

A Concorrência pode ainda decidir avançar com uma investigação aprofundada, tendo nesse caso 90 dias úteis para emitir uma decisão final.


(Notícia actualizada às 19:30 com mais informação)




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ccc Há 4 dias

Estes gajos da ERC são pagos para não decidir? Então pró olho da rua que é onde estão melhor!

Invicta Há 4 dias

Como resultado, vai ser nada. A cambada do costume - e todos sabem quem são - anda mexendo os cordeis para que este negócio não se concretize. Seria uma perda, deixarem de controlarem a TVI.

Celia Há 4 dias

Esta ERC e uma vergonha. Reguladores assim, vale mais não haver. VERGONHA!

Eles compram tudo ... com o dinheiro dos outros Há 4 dias

Segundo notícias dos media, a ALTICE, que compra tudo o que mexe, porém, não com dinheiro seu - porque o não tem -, mas sim sempre com empréstimos, a ALTICE, dizia, já acumula uma dívida de MAIS DE CINQUENTA MIL MILHÕES DE EUROS, constando que o estoiro, quando rebentar, se ouvirá na Lua.

pub