Telecomunicações Ericsson vai eliminar mil postos de trabalho em Itália

Ericsson vai eliminar mil postos de trabalho em Itália

A empresa sueca deverá tomar esta decisão depois de ter perdido um contrato de serviços em Itália avaliado em cerca de 957 milhões de euros.
Ericsson vai eliminar mil postos de trabalho em Itália
Rita Faria 20 de dezembro de 2016 às 12:39

A Ericsson planeia eliminar mil postos de trabalho em Itália, cerca de um quarto da sua força de trabalho no país, depois de ter perdido um contrato para controlar a maior rede wireless de Itália, avança a Bloomberg citando fontes próximas da empresa.

 

Segundo as mesmas fontes, a empresa sueca não foi a escolhida para operar a rede da CK Hutchison Holdings e da VimpelCom. A redução do número de funcionários é o resultado da perda do contrato, avaliado em cerca de mil milhões de dólares (cerca de 957 milhões de euros).

 

A 3 Italia, da Hutchison, e a Wind Telecomunicazione, da VimpelCom, receberam luz verde da União Europeia, em Setembro, para avançarem com a fusão, que vai criar a maior rede móvel de Itália. Actualmente, a Ericsson gere a rede da Hutchison e parte da rede da Wind.

 

A perda de um grande contrato de serviços em Itália – que deverá ter sido ganho pelos chineses da ZTE Corp - é mais um duro golpe para a empresa sueca que tem enfrentado dificuldades num contexto de crescente concorrência. A Ericsson anunciou recentemente que vai cortar cerca de três mil postos de trabalho e fechar as últimas fábricas na Suécia. A 16 de Janeiro terá um novo CEO e "chairman" - Borje Ekholm – que irá substituir Jan Frykhammar.

 

Em Outubro, a companhia anunciou que fechou o terceiro trimestre deste ano com prejuízos de 233 milhões de coroas suecas (cerca de 24 milhões de euros), mais do dobro do esperado pelos analistas. Foi a primeira vez em quase quatro anos que a Ericsson apresentou contas negativas.

 

As acções da Ericsson descem 3,56% para 54,25 coroas suecas, depois de já terem afundado um máximo de 4,27%. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub