Telecomunicações Ericsson vai eliminar três mil postos de trabalho

Ericsson vai eliminar três mil postos de trabalho

A fabricante de equipamentos de telecomunicações vai cortar o número de funcionários na Suécia, numa altura em que está a reduzir a produção para se concentrar no desenvolvimento de software.
Ericsson vai eliminar três mil postos de trabalho
Reuters Stig-Ake Jonsson
Rita Faria 04 de Outubro de 2016 às 11:37

A Ericsson vai eliminar três mil postos de trabalho na Suécia, um quinto da sua força de trabalho naquele país, numa altura em que a empresa está a reduzir a produção para enfrentar as mudanças tecnológicas e a estagnação da procura por equipamentos.

A fabricante de equipamentos de telecomunicações vai reduzir a produção nas cidades de Boraas e Kumla – uma decisão sinalizada no mês passado – para se concentrar no desenvolvimento de software. A Ericsson, que tem cerca de 16 mil trabalhadores na Suécia, também está a cortar empregos nas áreas de vendas, administração, pesquisa e desenvolvimento.

Num ambiente de cada vez maior concorrência com empresas como a Huawei e a Nokia, a Ericsson tem em marcha um programa de cortes avaliado em nove mil milhões de coroas suecas (mais de 900 milhões de euros) por ano até 2017.

Em Julho, a fabricante sueca anunciou que Hans Vestberg deixaria o cargo de CEO e presidente da Ericsson, sendo substituído temporariamente pelo CFO.

A decisão foi anunciada depois da divulgação dos resultados do segundo trimestre, período em que os lucros da empresa desceram 24%.

As acções da Ericsson ganham 0,49% na bolsa de Estocolmo para 61,65 coroas suecas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub