Aviação Esmeralda Dourado e Bernardo Trindade na administração da TAP

Esmeralda Dourado e Bernardo Trindade na administração da TAP

Com estes nomes, a que se junta o de António Menezes, ex-CEO da Sata, fica fechado o lote de administradores não-executivos indicados pelo Estado. Marques Mendes, que revela os novos administradores, diz que a equipa da companhia é "equilibrada".
Esmeralda Dourado e Bernardo Trindade na administração da TAP
Duarte Roriz
Paulo Zacarias Gomes 11 de junho de 2017 às 21:08

O ex-secretário de Estado do Turismo Bernardo Trindade, a administradora da SAG Esmeralda Dourado e o antigo presidente da companhia aérea açoriana Sata, António Gomes de Menezes, serão os administradores não-executivos da TAP indicados pelo Estado.

A revelação foi feita este domingo, 11 de Junho, pelo comentador da SIC, Luís Marques Mendes, no seu habitual espaço de comentário semanal no Jornal da Noite.

Os nomes agora conhecidos vêm juntar-se a parte da administração confirmada este fim-de-semana pelo Expresso e que será eleita a 30 de Junho. Miguel Frasquilho, antigo secretário de Estado do Tesouro, deputado do PSD e presidente da Aicep, será o presidente do conselho de administração, a que se juntam ainda a presidente do conselho de administração de Serralves, Ana Pinho, e Diogo Lacerda Machado.

Este último, amigo pessoal do primeiro-ministro e antigo administrador não-executivo da brasileira VEM, foi fortemente contestado nas últimas horas pelo líder do PSD. Passos Coelho considerou uma "pouca vergonha" e uma nódoa a indicação de Lacerda para o cargo, já que foi "o mesmo homem que andou a negociar a reversão" da privatização da transportadora. O primeiro-ministro António Costa não quis comentar. 

Para Marques Mendes, a crítica que Passos faz de que há conflito de interesses, "não tem razão". "Se ele tivesse negociado em nome do Estado a reversão da privatização e agora fosse designado pelos privados, seria um conflito de interesse," argumenta. O comentador diz contudo que a escolha não passa "uma boa imagem" e "fica a sensação de que é um prémio por ter ajudado o Governo noutros dossiers."

A maior dúvida para Marques Mendes reside no modelo de privatização que divide o capital por 50% - 50% entre Estado e privados. "Estas soluções muitas vezes conduzem ao bloqueio e ao desastre," adverte.

Quem são os novos administradores

Bernardo Trindade foi secretário de Estado do Turismo dos governos de José Sócrates entre 2005 e 2011, ano em que passou a integrar o grupo Porto Bay Hotels & Resorts, liderado pelo pai, António Trindade. Desde o final de Março deste ano, lidera a estrutura de missão que tem o objectivo de atrair investimento para Portugal no âmbito do Brexit.

O nome de Esmeralda Dourado, por seu lado, chegou a ser recentemente referido para integrar a administração da Caixa Geral de Depósitos como presidente do conselho de administração, o que acabou por não acontecer. Durante dez anos foi presidente executiva da SAG Gest, tendo ainda trabalhado no Citibank e sido administradora do Fonsecas & Burnay. Politicamente, esteve na direcção da campanha presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa, que viria a ser eleito em 2016.

Já António Gomes de Menezes, CEO da Sata entre 2007 e 2014, foi ainda administrador da EuroAtlantic (a companhia do grupo Pestana), tendo sido entre 2015 e Março deste ano administrador da PrivatAir. Desde Abril que as suas funções nesta empresa passaram a ser de consultoria.

Marques Mendes considerou que os nomes agora conhecidos denotam uma equipa "boa e equilibrada", ao trazer gestores experientes, conhecedores de aviação, além de ter representadas as sensibilidades do Norte, do turismo e das Regiões Autónomas. A isto, diz, Frasquilho acrescenta a experiência do mundo financeiro e das exportações, sendo a TAP "a maior exportadora portuguesa".


EDP: Catroga teve "afirmação infeliz"

O antigo presidente do PSD pronunciou-se ainda sobre o caso da investigação às rendas da EDP, que deu origem à conferência de imprensa da administração da eléctrica na semana passada. Para Marques Mendes foi uma "surpresa" a afirmação do presidente do conselho consultivo da empresa, Eduardo Catroga, segundo a qual "não se brinca com empresas cotadas em bolsa".

"É uma afirmação profundamente infeliz," disse o comentador, argumentando que não é a primeira vez que uma investigação se inicia com denúncias anónimas e que a lei é igual para todos os cidadãos e para as empresas, sejam ou não cotadas em bolsa.

"O que temos visto não é alguém a brincar com empresas cotadas em bolsa. O que vimos foram empresas cotadas em bolsa a brincar com o país e com o dinheiro dos portugueses. Foi o caso do BES e da PT," afirmou.

O comentador disse ainda que é provável que se juntem novos arguidos aos já conhecidos neste caso, mas deixou algumas dúvidas: porque é que só agora se inicia a investigação, quando os factos são conhecidos há vários anos e porque é que os arguidos foram assim constituídos de serem ouvidos.

E questionou também por que razão o governo anterior não foi mais longe nos cortes nas rendas de energia e porque privatizou primeiro a EDP e só depois fez os cortes. Sobre a promessa deixada pelo actual Governo de que cortará 500 milhões nas rendas perguntou se é apenas "show off" e se vai reduzir o preço da energia.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.06.2017

A máquina xuxa das nomeações não arrefeceu!! Apenas precisava de mais JOBS!! A nomeação de Lacerda Machado , essa figura sombria que é preciso recordar, esteve ligado à aquisição da VEM ( a actual ruína financeira da TAP), diz muito do que se passa no país. Após as nomeações em catadupa durante o primeiro ano de geringonça, com exonerações e nomeações a velocidades nunca antes vistas, eis que surge novamente este "anjo da morte" na administração da TAP.
É preciso ser-se intelectualmente muito restrito, ou ser-se fanático para não perceber o problema desta nomeação. Ainda por cima após a forma como participou na reversão da privatização da TAP.
Pergunto. Se algo similar a isto se passasse num outro governo que não xuxa, o que diriam as pessoas, o PCP e o BE? Novamente é preciso ser-se muito limitado para não saber...
Mas é preciso tirar o chapéu à máquina socialista. Conseguem fazer todo o tipo de artimanhas, com DESONESTIDADE, e ninguém parece querer saber. Quando se aperceberem...

comentários mais recentes
beachboy 12.06.2017

...enfim, os investidores privados vão perder o seu capital...
...a TAP perde a hipótese de ser autónoma...
...o contribuinte vai continuar a perder dinheiro...
...a companhia vai continuar a viver eu "pseudo" falência!...
...todos os que pilham a companhia vão continuar na sua actividade!...
...as greves e os sequestradores vão contnuar...
...com os criminosos que conduzem os aviões à cabeça dos sequestros!...

Observador 12.06.2017

È assunto em que os partidos P:S:D / PS/ CDS já demonstraram que são mto parecidos Os melhores empregos são para os seus militantes, familiares e amigos . Passos não tem moral para criticar pois fêz pior enquanto 1º ministro

Mr.Tuga 12.06.2017

O regresso ao tachismo e poleirismo e carreirismo que os esquerdalhos muito democráticos do Largo dos RATOS tanto adoram!
Com eles tudo e muito honesto e democrático.... Umas virgens pudicas inquestionáveis....
NOJENTOS!

pertinaz 12.06.2017

PARECE-ME QUE ANTÓNIO COSTA SEGUE AS PISADAS DO ESTUPOR DO PINÓQUIO...

ESPERO QUE AO CONTRÁRIO DELE FIQUE NA PRISÃO MUITOS E BONS ANOS...!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub