Empresas Espanha, Alemanha e EUA puxam forte pelas exportações têxteis

Espanha, Alemanha e EUA puxam forte pelas exportações têxteis

As exportações da indústria têxtil e de vestuário aumentaram 18% em Março, com o sector a fechar o conjunto do primeiro trimestre do ano com um crescimento homólogo de 7%, para 1,364 mil milhões de euros. A força das compras de Espanha, Alemanha e Estados Unidos foi determinante.
Espanha, Alemanha e EUA puxam forte pelas exportações têxteis
As exportações da indústria têxtil e de vestuário atingiram os 1,364 mil milhões de euros no primeiro trimestre de 2017, mais 7% do que em igual período do ano passado.
Rui Neves 10 de maio de 2017 às 13:09

Há precisamente um mês, o Negócios noticiava que Espanha tinha sido o principal responsável pela travagem do crescimento das exportações da indústria portuguesa de têxtil e de vestuário nos primeiros dois meses deste ano.

 

Mas eis que a mesma Espanha, que é o maior cliente desta indústria, valendo um terço (33%) das exportações, voltou a aumentar as suas compras de têxteis e vestuário a Portugal ­- no acumulado de Janeiro a Março, as transacções para aquele mercado atingiram 444 milhões de euros, mais 11,5 milhões do que no mesmo período do ano passado.

 

Segundo a associação patronal portuguesa do sector (ATP), com base em dados do INE, o mercado que mais cresceu, no primeiro trimestre do ano, foi o da Alemanha, com um aumento de 16,3 milhões para 130 milhões de euros.

 

Merece também destaque a performance das exportações para os Estados Unidos, quinto maior clientes desta indústria, que cresceram 10,2 milhões para 73 milhões de euros.

 

Já as exportações para o segundo maior cliente, a França, aumentaram 5%, totalizando 182 milhões de euros, e para o quarto maior, o Reino Unido, 2%, fixando-se em 109 milhões de euros.

 

Em termos de categorias de produtos, entre Janeiro e Março as exportações de matérias têxteis aumentaram 12% (para 356 milhões de euros), as de vestuário 6% (para 837 milhões) e as de têxteis-lar e outros artigos têxteis confeccionados quase 5% (para 171 milhões de euros).

 

"O saldo da balança comercial dos têxteis e vestuário, neste trimestre, ascendeu a 380 milhões de euros, com uma taxa de cobertura de 139%", remata a ATP.

 

Depois de ter superado a fasquia dos cinco mil milhões de euros, o que já não acontecia desde 2001, a indústria têxtil fixou agora como meta atingir os 5,5 mil milhões de euros em 2020.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.05.2017


Não são os médicos e enfermeiros que ganham pouco...

Os professores universitários, juízes e magistrados é que ganham demais.

TOCA A CORTAR OS SALÁRIOS E PRIVILÉGIOS DESTA MALTA TODA... PARA SE PODER BAIXAR O IRS.

comentários mais recentes
Anónimo 10.05.2017


Não são os médicos e enfermeiros que ganham pouco...

Os professores universitários, juízes e magistrados é que ganham demais.

TOCA A CORTAR OS SALÁRIOS E PRIVILÉGIOS DESTA MALTA TODA... PARA SE PODER BAIXAR O IRS.

pub