Aviação Espanha avalia multa de 4,5 milhões à Ryanair pela suspensão de voos

Espanha avalia multa de 4,5 milhões à Ryanair pela suspensão de voos

O ministro do Fomento de Espanha, Íñigo de la Serna, avançou esta quarta-feira que a transportadora Ryanair poderá ser multada em 4,5 milhões de euros por ter suspendido 514 voos com origem ou destino no país.
Espanha avalia multa de 4,5 milhões à Ryanair pela suspensão de voos
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Lusa 20 de setembro de 2017 às 17:36
"Isto é um caso sério. Estamos a falar num conjunto de sanções que, neste momento, devem ser do plano económico", disse o responsável governamental em declarações à Rádio Nacional Espanhola citadas pela agência EFE.

De la Serna explicou que cabe à Agência Estatal de Segurança Aérea (AESA) determinar a gravidade da decisão e o tipo de sanção que deve ser aplicada, dando a entender que a empresa irlandesa, neste momento, não corre o risco de ver suspendida a sua licença de operar em Espanha.

De la Serna avançou que o inquérito "acaba de começar" com o envio de uma carta pessoal ao presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, que irá agora dar explicações sobre o sucedido.

O ministro acrescentou que, no caso de a transportadora não dar explicações adequadas, a AESA irá criar um mecanismo para que as pessoas afectadas possam apresentar uma reclamação sem custos.

"Estamos a seguir o caso com atenção e vamos defender os direitos dos passageiros", assegurou Íñigo de la Serna.

Na passada sexta-feira, a companhia aérea 'low cost' (baixo custo) anunciou o cancelamento de 40 a 50 voos por dia durante seis semanas, até ao final de Outubro, num total de cerca de 2.000 voos, com o objectivo de "melhorar a sua pontualidade", que diz ter caído "abaixo de 80%" nas duas primeiras semanas de Setembro.

Na segunda-feira, o presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, assegurou que o cancelamento de voos nas próximas seis semanas não se deve a falta de pilotos, mas a um "erro" na distribuição de férias, tendo assumido "toda a responsabilidade pessoal".

Numa conferência de imprensa realizada em Dublin, sede da companhia aérea, O'Leary pediu desculpas aos milhares de passageiros que serão afectados por esta medida, mas insistiu que apenas serão afectados 2% de todos os voos da companhia, líder na Europa no sector 'low cost'.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 2 dias

Nem com isto a tap levanta vou-o.O turismo ja geme.A companhia Ryanair faz exactamente o contrario daquilo que os armenios reclamam e nao tem maos a medir.A tap tenta tapar o mal com cozinheiros estrelados mas nem assim la vao.La diz o ditado:e muito melhor muito do pouco,do que nada do muito.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub