Banca & Finanças Espanhol Liberbank afunda quase 40% em bolsa com receios de aumento de capital

Espanhol Liberbank afunda quase 40% em bolsa com receios de aumento de capital

A instituição já perdeu quase metade da sua capitalização bolsista. Os analistas separam as águas em relação ao Banco Popular, mas dizem que os investidores estão preocupados com a possível necessidade de um reforço de capital.
Espanhol Liberbank afunda quase 40% em bolsa com receios de aumento de capital
DR/Alberto García Fernández
Paulo Zacarias Gomes 09 de junho de 2017 às 16:13

O banco espanhol Liberbank perdeu metade da sua capitalização bolsista em quase três semanas, perante preocupações dos investidores de que possa vir a ser forçado a aumentar capital para cobrir perdas em activos imobiliários e no crédito malparado.

A acções do Liberbank chegaram a cair 37,45% na sessão desta sexta-feira, 9 de Junho, com cada título a valer 0,516 euros, próximo do valor mais baixo de sempre, os 0,503 euros registados em Julho do ano passado. Mas atenuou as quedas entretanto, caindo agora 18,55% para 0,672 euros.

A este preço, significa que a capitalização bolsista da instituição ficou reduzida a quase metade nas 14 sessões que já leva sem ganhar valor: passou de valer 1.150 milhões de euros para os 635 milhões de euros esta sexta-feira.

Dois dias depois da resolução de outro banco espanhol, o Popular - comprado por 1 euro pelo Santander, que terá agora de empreender um aumento de capital de 7.000 milhões de euros - a banca espanhola continua assim no centro das preocupações. 


"O Liberbank tem o mesmo tipo de problemas que o Banco Popular tinha, com um baixo rácio de cobertura, um rácio elevado de activos tóxicos e muitos activos duvidosos," disse à Bloomberg o analista Nicolas Lopez, da Mercados y Gestion de Valores.

Para este especialista, as acções estão a incorporar o risco de um possível reforço de capital que o banco venha a ser forçado a fazer para aumentar o seu rácio de cobertura - a existência de activos líquidos de elevada qualidade para reagir a condições de stress de financiamento.

"O capital do Liberbank está em melhor situação que o do Popular (...). Mas se o Banco Central Europeu forçar o aumento do rácio de cobertura, poderá ter de incorporar perdas que obriguem a um aumento de capital," acrescenta o analista.

"O Liberbank não está na mesma situação que o Popular. Mas ambos têm níveis elevados de malparado e baixos níveis de cobertura," disse por seu lado Daragh Quinn, analista na Keefe, Bruyette & Woods, ao Financial Times.

Um porta-voz do Liberbank considerou à Bloomberg que é "injusto" comparar o nível de activos do Liberbank com os do Popular e que esses seus activos foram avaliados no ano passado.

No primeiro trimestre, o banco teve lucros de 32 milhões de euros e registava activos de 39 mil milhões de euros. Além disso, de acordo com a Bloomberg, a sua posição de liquidez é forte, com os clientes de retalho a serem responsáveis por 96,5% dos depósitos.

O Liberbank resulta da fusão de três bancos em 2011 (Cajastur, Caja de Extremadura e Caja Cantabria) e entrou em bolsa em 2013, tendo beneficiado de uma ajuda pública de 124 milhões de euros, entretanto devolvida.

Tem actualmente cerca de 900 agências e emprega quatro mil pessoas. 


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O oligopólio bancário está longe de poder ser considerado um mercado não distorcido. Um mercado distorcido é um "mercado", mas não é mercado. É como um tecido canceroso, que é um "tecido", mas não é tecido. Quando alguém ouve falar em tecido no contexto da biologia, a primeira imagem que vem à consciência não é seguramente a de um tumor. Assim é com o mercado, não ocorre a ninguém a figura de um mercado distorcido, do tumor, quando alguém se lhe dirige usando a palavra mercado.

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Qual e a diferenca entre activos imobiliarios e mal parado?Ja sei:os activos imobiliarios estavam debaixo da cama,e o mal parado debaixo do tapete da sala.Sao como um cancro:lutam contra ele ate serem vencidos.

Marta Guimaraes Há 2 semanas

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado. Para lixo já chega o que escreves todos os dias no Observador com o nick victor guerra.

O POBRE e DESGRAÇADO MILENIUM BCP Há 2 semanas

POBRE MILENIUM BCP SÓ SUBIU METADE DO QUE A PHAROL SUBIU E NEM SEQUER RECUPEROU DO TOMBO QUE LEVOU ESTA SEMANA quando esteve cotado a 0.245

pub