Banca & Finanças Esquerda dá palavra final: Mensagens de Centeno fora do inquérito à CGD

Esquerda dá palavra final: Mensagens de Centeno fora do inquérito à CGD

A direita declara que é ilegal votar os requerimentos que lançou a pedir a correspondência trocada entre Domingues e Centeno. Mesmo assim, a esquerda obrigou à votação e chumbou o acesso.
Esquerda dá palavra final: Mensagens de Centeno fora do inquérito à CGD
Diogo Cavaleiro 15 de fevereiro de 2017 às 20:29

O chumbo era anunciado e confirmou-se: a esquerda não aceita a distribuição da correspondência trocada com Mário Centeno e enviada por António Domingues. A esquerda também não aceita a entrada de novos requerimentos a pedir as SMS trocadas.  

 

PS, BE e PCP uniram-se e votaram contra os requerimentos em cima da mesa, da autoria do PSD e do CDS, dizendo que não se encontram dentro do objecto da iniciativa parlamentar. Segundo defende a esquerda, a comissão de inquérito prende-se com as causas da capitalização da CGD, pelo que as trocas de correspondência sobre as condições aplicadas à chegada à presidência de Domingues, incluindo a dispensa da entrega de declarações de rendimento e património, não se enquadram. Uma ideia que a direita contesta.

 

A direita foi contra a votação: considera que o regulamento do inquérito parlamentar permite que os partidos que convocaram a comissão, PDS e CDS, possam pedir os documentos que quiserem, sem precisarem da aprovação dos restantes partidos. Não foi o entendimento da esquerda e houve votação. E a esquerda chumbou todos os requerimentos e a distribuição dos documentos.

 

Com a polémica entre direita e esquerda, houve uma ameaça de demissão: José Matos Correia disse que entre esta quarta e quinta-feira irá decidir se aceita continuar na presidência, por considerar que a minoria de direita, PSD e CDS, pode não estar a ter os seus direitos salvaguardados.

 

Os requerimentos

 

Esta questão tem já algumas semanas. O CDS fez um requerimento a pedir documentação a António Domingues e ao Ministério das Finanças solicitando a troca de correspondência desde que foi feito o primeiro convite para o gestor ser líder da CGD. Domingues respondeu, com um parecer jurídico, a duvidar da legalidade de tal requerimento mas a comissão de inquérito respondeu a dizer que era obrigatória. Evitando a acusação de um crime de obediência, o ex-vice-presidente do BPI entregou a documentação.

 

José Matos Correia foi o único que recebeu e quis entregar apenas aos deputados coordenadores, pelo que apenas seis parlamentares receberam a documentação. Só que a mesma chegou também à comunicação social.

 

Houve depois novos requerimentos, feitos pelo CDS e pelo PSD, a questionar se efectivamente houve mensagens trocadas entre Mário Centeno e Domingues e quais os conteúdos, respectivamente. A esquerda chumbou estes pedidos. A direita voltou a apresentar os requerimentos mas obrigando a que acontecessem por serem potestativos. Só que a esquerda diz que não são admissíveis.

 

PS, BE e PCP consideram que os pedidos feitos pela direita não se encontram no âmbito do objecto da comissão de inquérito.

 

Antes, já tinha sido alertado que havendo esta posição sobre os requerimentos de documentação também se aplicava o mesmo às audições. Neste momento, o PSD e o CDS já anunciaram que, para já, querem chamar Armando Vara e Mário Centeno. Mas Matos Correia sublinhara que se o tema dos requerimentos não se incluía no objecto da comissão então também as perguntas sobre a matéria não poderiam ser feitas a Mário Centeno na futura audição.

 

Marcada recorrentemente por tensão partidária, a comissão de inquérito à CGD foi criada, potestativamente, por parte da direita, contra a vontade da esquerda.

 

 




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Porque nao dizem tudo com menos palavras; nao e' necessario declarar nada coloca-se o amigo no taxo ,depois da missao cumprida, sai muito rico, e nao ha perguntas a fazer!!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

"Esta novela já cheira mal. Os portugueses estão fartos..." intervenção de ggov há 3 dias. Resume o essencial desta rascanovela. Assunto arrumado, como diz o nosso, de todos, Presidente da República. Falemos de assuntos caros ao desenvolvimento do país e que contribuam para Finanças equilibradas.

Será que temos oposição ? Há 1 semana

Eu duvido que tenhamos oposição. Chamar oposição a 2 partidos que passam 6 meses a degladiar-se com o governo por causa da CGD, não é correto. Isto não é oposição coisa nenhuma. São sim 2 partidos que andam à deriva. São 2 partidos com muitas feridas e dificeis de sarar. Que lambam as feridas !

APLAUSOS Há 1 semana

Vão os meus aplausos para o comentario do GGOV. O tiro acerta na "mouche". GGOV certíssimas as suas palavras.

Do Piçalho Há 1 semana

É a oportunidade de clarificar a politica portuguesa ,o PPD deve sair da Assembleia ,só está a servir de muleta aos que não ganharam as eleições .Depois eles que chamem a TROIKA a Merkel ou o Tramp ou façam compreender ao mercado que a tal da democracia em Portugal é sui-generis e paguem juros 10%

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub