Banca & Finanças Esquerda volta a rejeitar desafio do PSD e CDS para mostrar SMS de Centeno

Esquerda volta a rejeitar desafio do PSD e CDS para mostrar SMS de Centeno

Momentos depois de o PSD e o CDS terem desafiado a esquerda parlamentar a viabilizar a entrega das comunicações entre Mário Centeno e António Domingues a propósito da CGD, o PS, o PCP e o BE rejeitaram essa possibilidade.
Esquerda volta a rejeitar desafio do PSD e CDS para mostrar SMS de Centeno
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios com Lusa 15 de fevereiro de 2017 às 13:47

O PS, o PCP e o BE rejeitaram esta quarta-feira, 15 de Fevereiro, o desafio deixado pelo PSD e pelo CDS-PP para que invertam, até às 18:00, a decisão tomada esta terça-feira de não analisar as comunicações trocadas entre o ministro das Finanças e o ex-presidente do banco público António Domingues.


Em declarações aos jornalistas, no final da conferência de líderes, os líderes parlamentares do PS, Carlos César, do BE, Pedro Filipe Soares, e do PCP, João Oliveira, acusaram PSD e CDS-PP de quererem utilizar a comissão de inquérito à Caixa para criar um facto político, violando a Constituição e a lei, que não permite o acesso a comunicações pessoais.

Em causa estarão as alegadas mensagens de telemóvel trocadas entre António Domingues e Mário Centeno, nas quais, segundo o Público, o ministro das Finanças dizia ao agora ex-presidente da CGD que a possibilidade de a anterior administração da Caixa não ter de entregar as declarações de rendimento no Tribunal Constitucional estava encaminhada e que o Governo já falara com o Presidente sobre o assunto.

O Correio da Manhã escreve que há dois SMS que comprometem directamente Centeno, mensagens que terão sido trocadas durante o Verão, quando o Governo ainda negociava com a Comissão Europeia o plano de negócios e a recapitalização do banco.


Momentos antes da recusa da esquerda no Parlamento, os líderes parlamentares do PSD e CDS-PP tinham desafiado o PS, BE e PCP a inverterem a decisão de terça-feira, ameaçando, que se tal não acontecer, que ambos os partidos retirarão "todas as consequências regimentais, jurídicas e políticas" sem especificar quais.


No final da conferência de líderes, os dois líderes parlamentares Luís Montenegro (PSD) e Nuno Magalhães (CDS-PP) apelaram a que esta decisão seja alterada até às 18:00 de hoje, quando se reúne novamente a comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD).


O motivo invocado na terça-feira pelos partidos que chumbaram a não inclusão dos conteúdos das comunicações terá sido o de não se enquadrar no objecto da comissão parlamentar de inquérito, que abarca a gestão do banco público entre 2000 e 2015.


A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Henrique 15.02.2017

Está-se mesmo a ver que os partidos não deixam mostrar a SMS porque querem que se saiba a verdade. Mas que filhos duma p*ta, estes políticos todos.

PARA A AZIA, A MELHOR SOLUÇÃO É ALKA SELTZER 15.02.2017

Para a manifesta falta de qualquer ideia para o país, esta novela de "lana caprina" - há quem lhe chame treta - apareceu, como uma tábua de salvação, para uma direita, cuja única vocação é cortar, cortar e cortar nos salários e pensões e está cheia de azia pelos excelentes resultados deste governo.

TEM VERGONHA NA FUÇA, ALDRABÃO 15.02.2017

Quanto a mentir, ninguém tem, no seu historial, maior acervo de mentiras do que o aldrabão PASSOS, o qual, ainda nem iniciara as funções como PM, já mentia com todos os dentes que tem na boca, quando garantiu, na campanha para as Legislativas de 2011, que não aumentaria impostos e fez o que fez.

TRAIDOR, TIRA O EMBLEMA DE PORTUGAL DA LAPELA 15.02.2017

O pulha PASSOS, que já andava politicamente moribundo e se agarrou, com desespero, ao folhetim da CGD para se manter à tona da água, que tudo anda a fazer para fragilizar o BANCO PÚBLICO para forçar a sua privatização, não tem, COMO TRAIDOR QUE É AO SEU PAÍS, vergonha de usar na lapela a bandeira

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub