Empresas Essilor compra Luxottica por 22,8 mil milhões de euros

Essilor compra Luxottica por 22,8 mil milhões de euros

A nova empresa, que resultará da junção dos dois gigantes do mercado, tem receitas combinadas superiores a 15 mil milhões de euros, mais de 140 mil colaboradores e vendas em mais de 150 países.
Essilor compra Luxottica por 22,8 mil milhões de euros
Reuters
Rita Faria 16 de janeiro de 2017 às 07:59

A francesa Essilor vai comprar a Luxottica por cerca de 22,8 mil milhões de euros, num negócio que combina dois gigantes da indústria dos óculos, avança a Bloomberg esta segunda-feira, 16 de Janeiro.

Os accionistas da Luxottica vão receber 0,461 acções da Essilor por cada título da Luxottica que detenham, segundo informaram as duas empresas em comunicado. A oferta é de 47,07 euros, um valor 5% inferior ao valor de fecho da Luxxotica, na passada sexta-feira (49,56 euros).

A nova empresa – EssilorLuxottica – com receitas combinadas superiores a 15 mil milhões de euros, mais de 140 mil colaboradores e vendas em mais de 150 países, representará uma "plataforma de crescimento idealmente posicionada para aproveitar as oportunidades futuras", de acordo com o comunicado.

Leonardo Del Vecchio, fundador e accionista controlador da Luxottica, de 81 anos, será o chairman e CEO da nova companhia, enquanto o actual chairman e CEO da Essilor, Hubert Sagnieres, ocupará o lugar de vice-presidente da empresa.

"Com este acordo, o meu sonho de criar um grande ‘player’ global na indústria de óculos, totalmente integrado e excelente em todas as suas partes, é finalmente concretizado", afirmou Leonardo Del Vecchio, citado em comunicado. "O casamento entre duas empresas-chave nos seus sectores trará grandes benefícios para o mercado, para os funcionários e principalmente para todos os nossos consumidores. Finalmente, após 50 anos, dois produtos que são naturalmente complementares, nomeadamente óculos e lentes, serão concebidos, fabricados e distribuídos sob o mesmo tecto".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub