Banca & Finanças Estado emprestou 20 mil milhões aos bancos e recuperou 6 mil milhões

Estado emprestou 20 mil milhões aos bancos e recuperou 6 mil milhões

O saldo dos fluxos financeiros entre o Estado e as instituições financeiras é negativo para o primeiro: perdas de 14 mil milhões de euros. Ou, olhando para o peso na economia, 8% do PIB foi para a banca entre 2008 e 2015. Sem contar a injecção a fazer na CGD.
Estado emprestou 20 mil milhões aos bancos e recuperou 6 mil milhões
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 20 de Dezembro de 2016 às 19:06

O Estado português emprestou 20 mil milhões de euros aos bancos portugueses entre 2008 e 2015. As receitas obtidas pelos apoios prestados ao sector financeiro ascenderam a 6 mil milhões no mesmo período. Reduzindo: por cada 10 euros que o Estado emprestou ao sector financeiro conseguiu recuperar 3 euros.

 

Estes são os valores divulgados pelo Tribunal de Contas no Parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2015: "o esforço financeiro resultante das intervenções públicas, destinadas a poiar o sistema financeiro nacional no seguimento da crise financeira internacional, iniciada em 2007, constituiu um encargo elevado para o erário público num contexto de finanças públicas deficitárias".

 

O saldo final dos fluxos entre o Estado e os bancos nacionais fixou-se em 14,3 mil milhões de euros. É 8% do produto interno bruto nacional. Resulta das despesas de 20,4 mil milhões e das receitas de 6 mil milhões. Nas despesas inclui-se por exemplo a capitalização do Novo Banco, a resolução do Banif e as ajudas públicas através dos instrumentos híbridos chamados CoCos. Nas receitas, o que obteve com as devoluções destes investimentos.

 

Para o saldo de todo o período, o BES é o banco que mais pesa (4,7 mil milhões), seguido do nacionalizado do BPN (3,2 mil milhões). A CGD é responsável por um saldo negativo para o Estado de 3 mil milhões de euros entre 2008 e 2009 mas ainda sem contabilizar o aumento de capital que envolve a injecção de 2,7 mil milhões de euros em dinheiro fresco (que vai ocorrer em 2017).

 

Especificamente em 2015, o saldo negativo é de 2,5 mil milhões de euros, 3,4% do produto interno bruto. O Banif foi o grande responsável. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado soros-bq Há 4 semanas

Enquanto deu lucro foi dos gestores e dos accionistas... quando foi ao fundo, PAGA ZÉ!!!

comentários mais recentes
Vigaristas Há 4 semanas

Este esquema para manter os salários chorudos dos gestores faz de Portugal um dos países mais corruptos que existem aumentando assim a pobreza do povo. Depois dizem que a culpa é da Merkel.

Anónimo Há 4 semanas

Jornal de Notícias: "O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social só suporta pensões por 14 meses, concluiu, esta terça-feira, o Tribunal de Contas".

soros-bq Há 4 semanas

Enquanto deu lucro foi dos gestores e dos accionistas... quando foi ao fundo, PAGA ZÉ!!!

pub