Energia Estado fica a pagar empréstimo de 360 milhões com extinção da ENMC

Estado fica a pagar empréstimo de 360 milhões com extinção da ENMC

O Parlamento aprovou a extinção da entidade que gere as reservas estratégicas de petróleo. Mas o seu fim implica que o Estado vai ter de pagar o empréstimo de 360 milhões contraído pela ENMC.
Estado fica a pagar empréstimo de 360 milhões com extinção da ENMC
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 29 de Novembro de 2016 às 12:52

A extinção da entidade gestora das reservas estratégicas de petróleo foi aprovada recentemente no Parlamento. A proposta partiu do PCP e ditou o fim da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) no próximo ano.

 

A proposta prevê que as reservas estratégicas de petróleo passem a ser geridas pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG). Mas se a ENMC for extinta, o Estado vai ter de pagar o empréstimo obrigacionista que a entidade contratou em 2008 e que termina em 2028.

 

São 360 milhões de euros no total que a antiga Entidade Gestora das Reservas Petrolíferas (EGREP), que entretanto passou a integrar a ENMC, contraiu em 2008 a um banco espanhol e a um banco franco-belga.

 

O alerta foi dado pelo presidente da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, (ENMC), Paulo Carmona, esta terça-feira, 29 de Novembro, num encontro com jornalistas.

 

"A alteração material do emitente causa cancelamento do contrato. Os créditos passando para a DGEG vencem. Se a ENMC for extinta, o contrato vence, o empréstimo vence", afirmou o responsável.

 

Conforme explicou, este empréstimo foi contraído para a ENMC comprar as reservas estratégicas a que o país está obrigado. Paulo Carmona sublinhou que a ENMC não recebe dinheiro do Orçamento do Estado e que gera as suas próprias receitas com as reservas estratégicas que gere.

 

Em 2012, o Ministério da Economia ficou obrigado a extinguir uma entidade e escolheu a então EGREP. Mas perante a possibilidade do Estado ter de ficar a pagar o empréstimo de 360 milhões, o Governo de Passos Coelho recuou nesta decisão. Foi então criada a ENMC que integrou a EGREP no seu seio e passou a gerir as reservas estratégicas de petróleo.

 

Além do petróleo, a ENMC passou também a ser a entidade fiscalizadora para a área dos combustíveis e a ser a responsável pela exploração de petróleo e de gás natural, competências que vão passar agora para a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e a DGEG, depois de uma proposta do PS ter sido aprovada no Parlamento.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Isto está cada vez melhor no nosso "rico" estado português. Um grupo de politicos decide criar umas Entidades e colocam lá a trabalhar uns amigos a ganhar bons ordenados €€€. Quem paga? - O Zé Povinho. Será que o estado português está a zelar pelos direitos do consumidor na área dos combustíveis???

alcides Há 1 semana

Este Carmona está desesperado e agarradinho ao tacho!!!

Anónimo Há 1 semana

"Conforme explicou, este empréstimo foi contraído para a ENMC comprar as reservas estratégicas a que o país está obrigado. Paulo Carmona sublinhou que a ENMC não recebe dinheiro do Orçamento do Estado...."

Antes de comentar comentar convém ler...

gps Há 1 semana

Isto é inacreditável. Que entidade é esta? 360 milhões? Para quê? Em que gastam o dinheiro, tirando salários? Cadeia impõe-se? Eu quero gente séria, mesmo que não seja democrata. Estou farto de pulhas. Parecem todos uns filhos da pulha!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub