Energia Estado ganhou 3,6 mil milhões com CMEC

Estado ganhou 3,6 mil milhões com CMEC

Em cada uma seis das fases de alienação da EDP a privados, as avaliações levaram em linha de conta a importância dos CAE e posteriormente dos CMEC para a definição do preço de venda.
Estado ganhou 3,6 mil milhões com CMEC
Miguel Baltazar/Negócios
Celso Filipe 26 de junho de 2017 às 07:00

O Estado ganhou, entre 1997 e 2013, 3,6 mil milhões de euros com os CAE (contratos de aquisição de energia)/CMEC (custos de manutenção de equilíbrio contratual) estabelecidos com a EDP.

 

O valor resulta das avaliações feitas a estes contratos para definir o valor de mercado da empresa durante as várias OPV (ofertas públicas de venda) e vendas directas de capital da eléctrica, levadas desde 1997. No total, a venda da EDP aos privados permitiu ao Estado português encaixar 9,7 mil milhões de euros. Destes, 37% são atribuíveis ao facto de existirem contratos de energia.

 

Em cada uma seis das fases de alienação da EDP a privados, as avaliações levaram em linha de conta a importância dos CAE e posteriormente dos CMEC para a definição do preço de venda. Ou seja, a receita encaixada pelo Estado, foi também resultante da previsibilidade de mercado dada pela existência de contratos de aquisição de energia de longo prazo, factor que tornou a EDP mais atractiva para os investidores.

 

Assim, segundo dados a que o Negócios teve acesso, na primeira OPV, que decorreu em 1997, na qual foi vendida 30% do capital da EDP, os CAE/CMEC contribuíram em 48% para que o Estado registasse um encaixe de dois milhões de euros com a operação. Uma percentagem igual foi obtida durante a venda de 20% de capital na OPV de 2000, que rendeu 1,9 mil milhões de euros.

 

Já em 2012, estes contratos pesaram 14% para que o Estado pudesse ter obtido uma receita de 2,7 mil milhões de euros com alienação de 21,35% do capital da eléctrica à China Three Gorges.  




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Ganhou quando era do Estado mas agora quem ganha é a garganta funda e a dupla Mexia, Catroga...

Anónimo Há 3 semanas

Este jornalista devia declarar quantas viagens e patrocinios recebeu da EDP. Entao se não existissem estes contratos a EDP valia abe na cabeça só daqueles que estão vendidos ao lobby do Paulo Campos Costa e Antonio Mexia.

Anónimo Há 3 semanas

Pois é. Não se pode é vender o "bolo" e mesmo assim querer comê-lo sem ter que pagar por isso.

Anónimo Há 3 semanas

E pelo facto do Estado ter tido uma valorização no momento da venda da EDP (será que foi mesmo assim?....), os privados agora merecem ter uma renda garantida para todo o sempre à custa dos contribuintes, e replicada por muitas centenas de vezes, o que o Estado terá hipoteticamente beneficiado.

ver mais comentários
pub