Energia Estado não tem de devolver rendas por terminar exploração de petróleo no Algarve

Estado não tem de devolver rendas por terminar exploração de petróleo no Algarve

A Procuradoria-Geral da República (PGR), num parecer hoje publicado, conclui que a Portfuel, do empresário Sousa Cintra, não tem direito à devolução de rendas e taxas pagos desde 2015 para a prospecção e exploração exclusiva de petróleo no Algarve.
Estado não tem de devolver rendas por terminar exploração de petróleo no Algarve
Inês Lourenço/Correio da Manhã
Lusa 09 de janeiro de 2017 às 14:42

"O Estado, ao rescindir os contratos com a concessionária, não tem de reconstituir a situação patrimonial originária", diz a PGR, referindo-se aos contratos outorgados à Portfuel - Petróleo e Gás de Portugal, assinados em 25 de Setembro de 2015, para explorar a Bacia do Algarve, mais concretamente Aljezur e Tavira.

 

O tribunal acrescenta: "Terá apenas de restituir-lhe os montantes depositados a título de caução, conservando as quantias liquidadas como rendas de superfície e como taxas ou emolumentos", acrescentando tratar-se de 15 mil euros para cada área de concessão.

 

A PGR lembra que este parecer, do final de 2016 mas só hoje publicado no Diário da República, não foi o primeiro da PGR sobre a concessão e resultou de um pedido do secretário de Estado da Energia para "prosseguir a consulta precedentemente solicitada e já preliminarmente prestada", na parte considerava urgente.

 

As rendas de superfície e taxas auferidas pelo Estado foram recebidas pela Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis (ENMC), em troca do exclusivo das pesquisas e prospecções contratadas em Setembro de 2015.

 

A PGR passa em revista os argumentos do Governo para uma rescisão do contrato, lembrando que foi em 11 de Fevereiro do ano passado que o presidente da ENMC "considerava junto" do Secretário de Estado da Energia essa possibilidade, alegando que o concessionário não apresentou a apólice de seguro, incumprindo uma obrigação contratada.

 

"Parecem-nos reunidos os pressupostos da rescisão das concessões outorgadas", conclui a PGR, salientando a "especial gravidade" da violação da obrigação de ter seguros contratados para a operação.

 

A PGR destaca que "tudo o que foi reportado" pelo consórcio quanto a seguros foi "a intenção de envio de n.º de apólice da Lusitânia Seguros", por email a 23 de Dezembro de 2015, e sem nunca ter sido enviado e ou prestado algum esclarecimento adicional.

 

Quase três meses depois, em Março de 2016, "nada se modificara, apesar de o transcurso do tempo tornar cada vez mais eloquente o comportamento ilícito da concessionária", diz a PGR, concluindo que esta, "ou estava a operar sem seguro nem aprovação dos projectos de trabalhos de campo, ou estava a incumprir o plano anual de trabalhos" aprovado em Janeiro desse ano.

 

A PGR diz ainda que "é neste contexto" que a ENMC, através de ofícios de 23 de Março de 2016, interpela a Portfuel para se pronunciar em audiência prévia sobre um projecto de rescisão de ambos os contratos de concessão, por incumprimento.

 

O consórcio acabou por exibir apenas uma "declaração genérica" da apólice de seguro, com um teor "que se limitou a dar nota" de ter convencionado uma cobertura de riscos "incerta", razão que, na opinião da PGR, permite concluir ter havido incumprimento da obrigação contratada.

 

"A não junção da apólice de seguro de responsabilidade civil nos termos descritos, face às actividades em causa e aos riscos inerentes é, por isso, violação gravíssima", alega a PGR, explicando não bastar apresentar o contrato de seguro, sendo necessário fazer prova de as sondagens estarem cobertas por seguro, "explicando onde, como e quando" iam ser empreendidas as operações de pesquisa e sondagem de petróleo.


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TinyTino 09.01.2017

No meio de tanta desgraça uma boa notícia

comentários mais recentes
Outro totoloto 09.01.2017

Lá vamos nós contribuintes dar mais um totoloto

TinyTino 09.01.2017

No meio de tanta desgraça uma boa notícia

ZACARIAS 09.01.2017

DEDIQUE~SE Á PESCA, SÓ UM MALUCO É QUE IA APOSTAR NA EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO NO ALGARVE, QUANDO MUITOS PAÍSES , TEM PETRÓLEO E NÃO É RENTÁVEL NÃO O EXPLORAM. AGORA SOUSA SINTRA QUERIA REAVER O DINHEIRO QUE PERDEU TIRA O CAVALINHO DA CHUVA, SE HOUVE~SE PETRÓLEO, ERA A QUANTOS QUILÓMETROS, TENHA JUIZO.

Deuladeus 09.01.2017

João M. Horta LOL LOL LOL Muito bem. Esses lampiões controlam a PGR...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub