Banca & Finanças Estado paga a "lesados" do papel comercial do BES em Abril

Estado paga a "lesados" do papel comercial do BES em Abril

Apesar de já ter sido autorizado pela CMVM, o fundo de recuperação de créditos ainda demorará dois meses a ser constituído. Só nessa altura haverá o pagamento da primeira prestação aos lesados, confirmou a própria Patris.
Estado paga a "lesados" do papel comercial do BES em Abril
Hugo Correia/Reuters
Diogo Cavaleiro 08 de fevereiro de 2018 às 16:22

Os investidores com papel comercial de sociedades do Grupo Espírito Santo, vendido pelo Banco Espírito Santo, só deverão receber o primeiro reembolso em Abril. O valor, a ser pago pelo Estado, só será libertado quando o fundo de recuperação de créditos for constituído, revelou a Patris, a sociedade responsável por geri-lo. 

 

"Admite-se que o fundo possa estar constituído no próximo mês de Abril. O pagamento da primeira prestação está dependente da constituição do fundo e será efectuado no âmbito da constituição do mesmo, sendo apenas nesse momento o respectivo montante disponibilizado à Patris", assinala um comunicado da sociedade Patris – Sociedade Gestora de Fundos de Titularização de Créditos, que pertence ao grupo Patris, liderado por Gonçalo Pereira Coutinho. 

 

A nota da sociedade gestora colocada no site oficial esta semana dá conta do trajecto que ainda tem de ser percorrido para que se concretize o pagamento dos primeiros 130 milhões de euros aos cerca de 2.000 clientes do antigo BES, agora Novo Banco, que subscreveram títulos de papel comercial emitidos pela Espírito Santo International e pela Rioforte, "holdings" do GES em insolvência. O pagamento será feito directamente pelo Tesouro português, em vez de ser um financiamento bancário, com garantia bancária, como se previa inicialmente. A primeira devolução corresponde a cerca de um terço do valor da recuperação, que será de 50% do investimento em aplicações superiores a 500 mil euros e de 75% até esse valor, mas nunca acima de 250 mil.

Abril era já o mês em cima da mesa, depois de o Governo ter decidido que iria emprestar directamente aos lesados, em vez de prestar uma garantia sobre o empréstimo bancário. Contudo, há agora uma entidade oficial a assumir a data.

 

A 25 de Janeiro, a CMVM deu autorização formal para a constituição do fundo. Só que "entre a autorização dada pela CMVM e a entrada em funcionamento do fundo há formalidades legais a cumprir e prazos legais e contratuais a respeitar". Em causa está a preparação de cada contrato de adesão, que cada cliente tem de preencher, e a validação de toda a documentação. "Só depois de verificados estes requisitos e cumprindo-se os prazos legais, é que o fundo poderá ser efectivamente constituído".

 

Ainda não se sabe quando é que os clientes terão de dirigir-se ao Novo Banco, Best ou Novo Banco dos Açores, os bancos que comercializaram os produtos abrangidos por esta solução, para tratarem da documentação. Certo é que deverão já ter participado nas reclamações de crédito nas insolvências da Rioforte e ESI, que decorrem no Luxemburgo, e na liquidação do BES, que está a acontecer em Lisboa. 

A solução foi encontrada pelo grupo de trabalho que juntou Governo, reguladores e associação representativa dos lesados. Foi em Março do ano passado que o memorando de entendimento do grupo de trabalho foi assinado. 




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O estado paga uma ova! Há 1 semana

Quem paga é o contribuinte Tuga, o costa pôs os Tugas a pagar os roubos dos colarinhos brancos. Nós contribuintes estamos a ser roubados pelo Costa, com o apoio de todos os esquerdalhos, safando assim o Ricardo Salgado e afins. Para isso foi montada a geringonça, percebem?

Anónimo Há 1 semana

O arraial continua. Economia produtiva pum! Bancos pum! Grandes empresas pum! Estado pum! Décadas de arraial. Pum!Pum! Pum!

Devolver o roubo é q mais custa a estes pulhas Há 1 semana

Dr. ANTÓNIO COSTA, pq tenho eu de pagar do meu bolso o q o canalha cobardolas RICARDO SALGADO e seus acólitos roubaram ?
PORQUÊ ?

Esse pulha tem os milhares de milhões escondidos nalgum paraíso fiscal.
Sra. PGR, este biltre, além de ter de apodrecer na choldra, terá de restituir o q roubou !

E O CRIMINOSO SALGADO CONTINUA LIVRE ... ! Há 1 semana

NÃO É O ESTADO Q PAGA, MAS SIM O BOLSO DE TODOS NÓS, CONTRIBUINTES.

RECORDO-ME DE TER LIDO, COM ESTES OLHOS, Q A TERRA HÁ-DE COMER, QUE, CITO, "NUNCA OS CONTRIBUINTES IRÃO SER SOBRECARREGADOS" COM O ROUBO QUE O ESCROQUE CRIMINOSO RICARDO SALGADO, COBARCEMENTE, FEZ, NAS COSTAS DOS DEPOSITANTES.

ver mais comentários
pub