Indústria Estaleiros Navais de Peniche fecham acordo na Índia

Estaleiros Navais de Peniche fecham acordo na Índia

Os Estaleiros Navais de Peniche e os indianos West Coast Shipyard querem trocar conhecimento e fabricar embarcações em conjunto. O primeiro passo está dado, com a assinatura de um memorando de entendimento.
Estaleiros Navais de Peniche fecham acordo na Índia
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 13 de janeiro de 2017 às 09:29

Os Estaleiros Navais de Peniche e os indianos West Coast Shipyard assinaram um memorando de entendimento esta quinta-feira, 12 de Janeiro, para construir e desenvolver materiais para a Índia e seus mercados regionais.

A notícia foi avançada pelo The Times of India. "Há um investimento de Portugal para cumprir o contrato. Há projectos que estamos a analisar para construir partes de navios em Goa ou, pelo menos, montá-los aqui", afirmou o administrador dos Estaleiros Navais de Peniche, Jorge Brandão.


Como parte do entendimento, os dois estaleiros pretendem desenvolver barcos com fibra de vidro ou de vidro plástico reforçado. Tal representa não só uma troca de conhecimentos ao nível do design das embarcações como das técnicas envolvidas.


É uma notícia positiva para os Estaleiros Navais de Peniche, depois da empresa – com 16 milhões de euros de dívidas - ter entrado em Processo Especial de Revitalização (PER) no início de 2016. O mesmo prevê a redução do número de trabalhadores para as três dezenas.


Adquiridos pelo Fundo de Reestruturação Empresarial (55%), gerido pela capital de risco Oxy Capital, e pelo grupo de metalomecânica AMAL no final do Verão de 2014, os Estaleiros Navais de Peniche ficaram dependentes de encomendas de Angola, avaliadas em 30 milhões de euros. Com o agudizar da crise neste país, a maioria das encomendas acabou por não conseguiu firmar garantias financeiras.


Recorde-se que o primeiro-ministro português, António Costa, se encontra numa visita oficial à Índia, passando por Deli, Bangalore e Goa. Ao longo dos últimos dias, o chefe do Governo português tem considerado que a Índia constitui um imenso mercado por explorar e acredita que estão abertas as portas para o estabelecimento de parceiras. Costa está ainda confiante que o Governo indiano quer tornar Portugal uma plataforma sua na Europa.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.01.2017

Não fazem, nem deixam fazer!

Nuno 13.01.2017

Não brinquem

pub