Media Estudo sugere que resultados da Google são politicamente tendenciosos

Estudo sugere que resultados da Google são politicamente tendenciosos

De acordo com um estudo divulgado pelo Wall Street Journal, os resultados apresentados no motor de pesquisa Google apresentam um viés político liberal. Em causa está um possível desvio da opinião pública.
Estudo sugere que resultados da Google são politicamente tendenciosos
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Negócios 22 de Novembro de 2016 às 12:48

Um estudo levado a cabo pela CanIRakn.com conclui que os resultados de 50 pesquisas de temas políticos apresentados pelo maior motor de busca do mundo, a Google, apresentam mais páginas conotadas com correntes políticas liberais do que com as conservadoras.

A investigação contou com um painel de quatro pessoas, duas liberais e duas conservadoras, com experiência na área política e na pesquisa online. Cada um dos elementos classificou cada página numa escala de um a cinco, sendo que "cinco" corresponde ao nível considerado politicamente mais conservador.

Do universo de duas mil páginas analisadas, 31% foram classificadas como liberais, 22% como conservadoras, e 47% como neutras, onde se incluem páginas do governo e sites de notícias. Termos como "salário mínimo" apresentaram páginas tendencialmente liberais, e "será que o controlo de armas reduz o crime?" fornece páginas mais conservadoras.

Os resultados de pesquisas de "regulação financeira", "imposto de propriedade" e "reserva federal" apresentam uma mistura de forças políticas nos resultados.

Em resposta, a Alphabet (dona da Google) nega quaisquer acusações de enviesamento. Uma porta-voz da empresa afirma que o motor de busca preocupa-se em fornecer as respostas e resultados mais relevantes para os utilizadores. A empresa afirma que os resultados de pesquisa são gerados por algoritmos que têm em conta "centenas de factores" e "reflectem o conteúdo e a informação que está disponível na Internet".

O Wall Street Journal aponta que o estudo, porém, apresenta algumas fraquezas. A publicação sublinha nomeadamente o painel composto por quatro elementos. Além disso, os resultados são um pouco confusos. A pesquisa revelou mais páginas avaliadas como "liberal" do que "conservadora" numa escala de um a cinco, mas havia mais páginas classificadas como "muito conservadora" do que como "muito liberal".

O estudo reacende a recente discussão sobre a influência de companhias de Internet sobre a informação que passa para os utilizadores. O Facebook, por exemplo, foi recentemente acusado de circular notícias falsas durante a campanha presidencial dos Estados Unidos.

No verão passado, também a Google foi acusada de favorecer Hillary Clinton ao esconder pesquisas negativas sobre a candidata à Casa Branca. O motor de busca negou.

No passado mês de Dezembro, a Universidade de Maryland conduziu um estudo onde se pôde concluir que a pesquisa por nomes de candidatos democráticos apresentava mais páginas de apoio do que a pesquisa por nomes de candidatos republicanos.

Nock Diakopoulos, jornalista e professor na Universidade de Maryland, tem vindo a estudar algoritmos e é co-autor do estudo que teve em conta dos resultados de pesquisa dos nomes dos candidatos nas eleições dos EUA. "O Google é basicamente um mecanismo de popularidade no sentido em que quanto mais hiperligações tem, maior será a sua classificação", afirma.

Ao contrário do Facebook, o Google raramente apresenta páginas que distribuem propaganda, refere a mesma fonte. No entanto, os investigadores académicos ainda consideram a opacidade dos algoritmos de pesquisa uma preocupação, dado o papel preponderante da Google.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

JORNALISTAS E POLÍTICOS

DUAS FACES DA MESMA MOEDA

TUDO É MANIPULADO

Pedro Há 1 semana

O que isto conclui é que a internet é mais liberal que conservadora. O que faz sentido, pois a extrema esquerda é muito mais numerosa que a extrema direita...

Anónimo Há 1 semana

Só as páginas da Google? Toda a media ocidental é tendenciosa. Basta ver as notícias da guerra da Síria, com o martelar constante de imagens de crianças feridas para envenenar a opinião pública contra a Rússia. Quem apoia os terroristas de maneira a que eles tenham dinheiro e armas?

Anónimo Há 1 semana

Agora expliquem-me... onde está a novidade?

pub