Aviação Estudos técnicos sobre solução para aeroporto de Lisboa "em breve"

Estudos técnicos sobre solução para aeroporto de Lisboa "em breve"

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas garante que em 2017 avançará a solução para o reforço de capacidade do aeroporto Humberto Delgado que vier a ser identificada.
Estudos técnicos sobre solução para aeroporto de Lisboa "em breve"
Maria João Babo 18 de outubro de 2016 às 14:02

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, adiantou esta terça-feira que relativamente à solução para o aumento da capacidade aeroportuária em Lisboa o Governo está "a desenvolver os estudos técnicos que permitirão tomar a decisão" sobre se esse acréscimo passa pelo "aeroporto Humberto Delgado sozinho ou o aeroporto Humberto Delgado com mais alguma pista em breve".


Na apresentação das prioridades do Orçamento do Estado para 201 esta terça-feira, 18 de Outubro, o governante afirmou esperar ter em breve esses estudos técnicos concluídos, incluindo estudos sobre navegação aérea civil e militar que também foram desenvolvidos nos últimos meses.


"Depois de termos os estudos técnicos que suportem decisão, há decisões críticas como a compatibilização da navegação aérea, como questões ambientais, como questões de acessibilidades que têm de ser pesadas e depois avançar para a decisão final", acrescentou.

Pedro Marques sublinhou o objectivo de avançar com a concretização da solução que vier a ser identificada já no ano de 2017.


O contrato de concessão assinado entre o Estado e o grupo Vinci (dono da ANA) determina que as negociações para debater a melhor solução se iniciam quando se atingir o patamar dos 22 milhões de passageiros anuais no aeroporto de Lisboa.


Em 2015 o aeroporto de Lisboa bateu os 20 milhões de passageiros transportados, uma barreira que veio acelerar a necessidade de definição de uma solução para o aumento da capacidade em Lisboa.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.10.2016


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


A realidade escondida do défice estrutural no financiamento das pensões da FP (CGA).

Em 2015, as quotas pagas pelos trabalhadores e as contribuições das entidades empregadoras públicas cobriram apenas 38% das despesas com pensões da CGA.

Nesse ano, o Estado contribuiu através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) com mais de 4,6 mil milhões de euros para assegurar o financiamento das pensões da CGA.

Conclusão: Os trabalhadores do privado estão fartos de pagar impostos cada vez mais altos para suportar os privilégios desta malta, que gosta de ser sustentada pelos outros.

comentários mais recentes
pertinaz 18.10.2016

A SOLUÇÃO SERÁ CERTAMENTE A MAIS CARA QUE CONSEGUIREM ENCONTRAR

A GATUNAGEM JÁ ESTÁ A AFIAR AS UNHAS E DENTES

O CONTRIBUINTE SÓ TEM DE PAGAR E CALAR


VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Anónimo 18.10.2016


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


A realidade escondida do défice estrutural no financiamento das pensões da FP (CGA).

Em 2015, as quotas pagas pelos trabalhadores e as contribuições das entidades empregadoras públicas cobriram apenas 38% das despesas com pensões da CGA.

Nesse ano, o Estado contribuiu através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) com mais de 4,6 mil milhões de euros para assegurar o financiamento das pensões da CGA.

Conclusão: Os trabalhadores do privado estão fartos de pagar impostos cada vez mais altos para suportar os privilégios desta malta, que gosta de ser sustentada pelos outros.

Anónimo 18.10.2016


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO


PS = O partido dos mais Ricos

O PS apenas defende os interesses particulares de alguns grupos:


- Os empresários mais ricos (arranjou-lhes as PPP's);

- Os aposentados/reformados com pensões mais elevadas (opõe-se aos cortes);

- Os funcionários públicos (são os trabalhadores com salários mais elevados).


Os outros portugueses (a maioria)... que se lixem e paguem mais impostos e contribuições para sustentar os anteriores!

pub
pub
pub
}
pub