Aviação Etihad Airways vai cortar até três mil postos de trabalho

Etihad Airways vai cortar até três mil postos de trabalho

A companhia sediada em Abu Dhabi está a levar a cabo um plano de reestruturação para melhorar a produtividade e as receitas e reduzir custos, numa altura de fraco crescimento da actividade.
Etihad Airways vai cortar até três mil postos de trabalho
Bloomberg
Rita Faria 19 de dezembro de 2016 às 10:06

A Etihad Airways vai eliminar até três mil postos de trabalho em várias unidades, numa altura em que a companhia aérea procura adaptar a sua estrutura a um crescimento mais lento da actividade, depois de vários anos de forte expansão, avança a Bloomberg esta segunda-feira, 19 de Dezembro.

A empresa sediada em Abu Dhabi está a levar a cabo "revisões organizacionais e uma reestruturação" para reduzir custos e melhorar a produtividade e as receitas", informou um porta-voz da Etihad, por email, em resposta a questões colocadas pela agência noticiosa. Isto resultará "numa redução do número de funcionários" em algumas partes do negócio "num cenário cada vez mais competitivo e numa economia global mais fraca".

A diminuição do número de funcionários já começou há algumas semanas e poderá atingir até três mil postos de trabalho, segundo fontes próximas da empresa, citadas pela Bloomberg.

Esta abordagem representa uma reviravolta na estratégia de empresa que triplicou a sua força de trabalho para 20.292 funcionários nos últimos oito anos, um período em que a sua frota subiu de 42 para 122 aeronaves.

A sua estratégia de crescimento passou pela compra de participações em companhias europeias como a Air Berlin e a Alitalia, que estão ambas com dificuldades em manter o crescimento da sua actividade.

Tal como as restantes companhias do Golfo Pérsico, a Etihad tem sofrido o impacto decorrente da queda dos preços do petróleo, que penalizou toda a economia daquela região. A Emirates reportou uma queda de 64% dos lucros do primeiro semestre, enquanto a Qatar Airways declarou recentemente que a procura da indústria de petróleo e gás abrandou com a queda dos preços da matéria-prima.

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo, o resultado líquido das companhias do Médio Oriente, em conjunto, deverá descer de 900 milhões de dólares, este ano, para 300 milhões em 2017. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.12.2016

a festa acabou-se?

pub
pub
pub
pub