Telecomunicações EUA querem que AT&T venda CNN para comprar Time Warner

EUA querem que AT&T venda CNN para comprar Time Warner

A AT&T não está disponível para desfazer-se de activos para poder adquirir a Time Warner, como quer impor o Departamento de Justiça norte-americano. A operação de 85,4 milhões de dólares já foi anunciada há mais de um ano.
EUA querem que AT&T venda CNN para comprar Time Warner
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 09 de novembro de 2017 às 08:37

Os Estados Unidos querem que a operadora AT&T venda a estação noticiosa CNN aquando da aquisição da empresa de media Time Warner. Essa é uma intenção do Departamento de Justiça na análise à operação de concentração. Mas a AT&T não está disposta a vender aquela estação televisiva.

 

"Ao longo deste processo, nunca me ofereci para vender a CNN e não tenho intenção de fazê-lo", declarou Randall Stephenson, presidente da AT&T (na foto), citado pela agência Bloomberg.

 

Em causa está o processo de compra da Time Warner (dona da Warner Bros, Time, HBO, CNN, entre outros) pela AT&T, um negócio avaliado em 85,4 milhões de dólares (73 milhões de euros ao câmbio actual) que junta a área das telecomunicações com a informação. A Comissão Europeia deu a sua luz verde à transacção, anunciada em Outubro do ano passado, mas é do Departamento de Justiça norte-americano que se espera a grande decisão, já que é naquela economia que se centram as actividades dos dois grupos.

 

A posição daquele departamento da Administração Trump, de impedir a transacção se não forem impostos remédios, é avançada pelo Financial Times e pela agência Bloomberg. Em cima da mesa está o receio de eventuais custos adicionais para os concorrentes devido à aquisição.  

 

Na prática, há duas opções de desinvestimento para que a operação possa seguir em frente: ou a venda da DirecTV, subsidiária da AT&T em comunicações por satélite, ou a Turner Broadcasting, área das televisões da Time Warner onde está a CNN. Esta estação tem sido alvo de críticas negativas por parte do presidente Donald Trump, que a acusa de divulgar notícias falsas. Aliás, segundo foi já noticiado, o presidente dos EUA não é favorável ao negócio.

 

De acordo com a Bloomberg e o FT, a AT&T não está disponível para negociar o desinvestimento na CNN. Aliás, as duas fontes escrevem que os serviços jurídicos da operadora sediada em Dallas estão a preparar uma possível batalha legal contra o Departamento de Justiça dos EUA.

 

Em Portugal, a compra da empresa de media Media Capital pela operadora Meo (da Altice) também aguarda a autorização regulatória, com a análise a caber à Autoridade da Concorrência.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.11.2017

Sr. jornalista, há um "ligeiro" erro no seu artigo, não se trata de 85 milhões de USD mas sim 85 MIL milhões de USD! Só para ter uma ideia, a Media Capital portuguesa tem atualmente uma capitalização bolsista de 266 milhões de EUR, mais do triplo do suposto valor da Time Warner!

comentários mais recentes
Anónimo 10.11.2017

Sr. jornalista, há um "ligeiro" erro no seu artigo, não se trata de 85 milhões de USD mas sim 85 MIL milhões de USD! Só para ter uma ideia, a Media Capital portuguesa tem atualmente uma capitalização bolsista de 266 milhões de EUR, mais do triplo do suposto valor da Time Warner!

pub